Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 02 > 370 mil agentes e militares voltam às ruas nesta segunda

Saúde

370 mil agentes e militares voltam às ruas nesta segunda

#ZikaZero

Esforço de combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti apenas começou neste sábado, com o Dia Nacional de Mobilização Zika Zero
por Portal Brasil publicado: 15/02/2016 09h32 última modificação: 15/02/2016 12h00

A ação que colocou 220 mil militares nas ruas, durante "Dia Nacional de Mobilização Zika Zero", não se encerrou no sábado (13), quando os oficiais visitaram cerca de três milhões de casas em 350 municípios. Com o objetivo de continuar eliminando criadouros do mosquito Aedes aegypti, 55 mil oficiais das Forças Armadas e 315 mil profissionais de diferentes áreas voltam às ruas a partir desta segunda-feira (15).

Isso porque, até o dia 18, será posta em prática nova etapa dessa estratégia de enfrentamento, envolvendo também agentes de saúde. Vestidos de colete e portando bolsas a tiracolo, os agentes vão seguir percorrendo ruas, batendo de porta em porta, visitando casas para vistoriar quintais, varandas e também os locais públicos.

Segundo Marcos Quito, coordenador da Sala Nacional de Coordenação e Controle para Combate ao Aedes aegypti - o núcleo de inteligência operacional das ações do governo -, o quadro será composto principalmente por profissionais da saúde.  “Os militares se somam ao quantitativo de 266 mil agentes de controle de endemias e 49 mil agentes comunitários de saúde, que já fazem visitas programadas. Eles somam esforços e vão trabalhar junto com esses atores para fazer essas visitas em domicílio”, diz.

Como identificar os agentes

Nessa tarefa, os agentes de saúde deparam-se com muitas recusas. São pessoas que ainda resistem em deixá-los entrar, mantendo portões e portas fechadas na hora da vistoria mesmo diante da grande ameaça que é o mosquito transmissor do zika vírus, causador de um aumento nos casos de microcefalia em bebês.

Francisco Limeira, agente de saúde no entorno do Distrito Federal, é um desses profissionais. No dia a dia, ele diz que a maioria das pessoas abre a porta de suas casas para que ele faça a vistoria, verificando se há criadouros do mosquito. Mas lembra que, em alguns momentos, a sua presença foi recusada. "Meu dia de serviço fica bastante machucado."

Ele considera natural que, num primeiro momento, possa haver desconfiança, mas dá a dica para tranquilizar os moradores sobre a presença dos agentes de saúde. “É simples: a pessoa que está em casa pode, antes de receber o agente, pedir o telefone da inspetoria e ligar para conferir se, de fato, há uma equipe de agentes naquele bairro. Feita essa conferência, é só abrir a porta.”

O cuidado, diz Francisco Limeira, pode ir além. Há também uma segunda forma eficaz de comprovar se a pessoa que bate na porta é mesmo um profissional da saúde pública.

“Todo agente de saúde possui um carteira funcional de identificação. Ao atender um agente, peça que ele mostre a carteira. Essa carteirinha possui uma foto. Dificilmente uma pessoa mal intencionada vai apresentar um documento em que possa ser identificado”, acrescenta.

Ao falar da resistência de algumas pessoas ao trabalho dos agentes, ele comenta que são minoria. "E o que importa é a maioria." Em todo o País, o Ministério da Saúde estima em 350 mil o número de agentes de saúde, entre profissionais que atuam nos municípios, nos Estados ou em órgãos federais.

A esse contingente se somam os bombeiros, militares do Exército, Marinha e Aeronáutica. E também os milhares profissionais dos Correios e das companhias de energia elétrica que entregam correspondência e fazem medição de energia e que têm ajudado nas vistorias em residências.

Todos estão mobilizados para eliminar o Aedes aegypti. Nessa luta, diz Francisco Limeira, cada dona de casa, aposentado, jovem, profissional de qualquer área ou classe social é um agente de saúde em potencial.

Luta permanente contra mosquito

Após a mobilização do último sábado e da ação que será feita entre os dias 15 e 18, uma outra fase do plano de combate ao mosquito está marcada para ocorrer entre 19 de fevereiro e 4 de março.

Nesses dias, militares irão visitar as escolas públicas para falar aos estudantes sobre a importância de eliminar o Aedes aegypti e evitar focos de proliferação do mosquito causador do zika.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Vigilância em Saúde Ambiental do Distrito Federal, do Exército, do Ministério da Defesa e do Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Campanha de vacinação segue até 30 de setembro
Postos de saúde, escolas e praças receberam crianças e adolescentes para atualizar os cartões de vacinação
Hospital Universitário de Brasília está em obras para ampliar atendimento
HUB está com alas recém-reformadas, que estão melhorando o atendimento à população
Saúde do adolescente: o macarrão é considerado um alimento saudável?
Especialista em nutrição do Ministério da Saúde responde perguntas de adolescentes sobre alimentação
Postos de saúde, escolas e praças receberam crianças e adolescentes para atualizar os cartões de vacinação
Campanha de vacinação segue até 30 de setembro
HUB está com alas recém-reformadas, que estão melhorando o atendimento à população
Hospital Universitário de Brasília está em obras para ampliar atendimento
Especialista em nutrição do Ministério da Saúde responde perguntas de adolescentes sobre alimentação
Saúde do adolescente: o macarrão é considerado um alimento saudável?

Últimas imagens

Médicos que completam três anos de atuação no Mais Médicos serão substituídos por novos profissionais a partir de novembro
Médicos que completam três anos de atuação no Mais Médicos serão substituídos por novos profissionais a partir de novembro
Karina Zambrana/Ministério da Saúde
Até o início de julho, são mais de 40,6 mil unidades em funcionamento
Até o início de julho, são mais de 40,6 mil unidades em funcionamento
Divulgação/Prefeitura de Guaratuba (PR)
A ingestão de frutas esteve presente em 98,8%
A ingestão de frutas esteve presente em 98,8%
Arquivo/Agência Brasil
A Anvisa tem dado prioridade para análise de medicamentos novos
A Anvisa tem dado prioridade para análise de medicamentos novos
Marcos Santos/USP Imagens
Unidade prestará atendimento 24h por dia, com a realização de pequenas cirurgias, raio X e medicação
Unidade prestará atendimento 24h por dia, com a realização de pequenas cirurgias, raio X e medicação
Divulgação/Governo do Rio Grande do Sul

Governo digital