Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 02 > Entrada de militares nas casas é ‘necessidade de segurança de saúde’, diz ministro

Saúde

Entrada de militares nas casas é ‘necessidade de segurança de saúde’, diz ministro

Combate ao mosquito

Segundo Aldo Rebelo, um terço dos imóveis vistoriados em SP estavam fechados; MP permite entrada forçada em locais suspeitos de abrigar Aedes aegypti
por Portal Brasil publicado: 04/02/2016 21h20 última modificação: 04/02/2016 21h20

N“Bom dia, Ministro” desta quinta-feira (4), o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, falou sobre atuação dos membros das Forças Armadas no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, a febre chikungunya e o vírus zika. Rebelo explicou que a entrada forçada de agentes públicos em imóveis públicos e privados para ações de combate mosquito, autorizada por medida provisória, é uma necessidade de segurança de saúde.

“Em São Paulo, por exemplo, de 33 mil imóveis visitados pelos militares, 10 mil estavam fechados. São armazéns, terrenos, residências que estavam sem a presença de ninguém. Além disso, em quase mil não havia pessoas autorizadas para permitir a entrada de agentes, apenas vigias, fiscais ou porteiros”, disse o ministro.

“Todos estão motivados para apoiar o Brasil, porque a questão de saúde é também uma questão da segurança do País. E isso nós compreendemos como atividade auxiliar que nos compete”,acrescentou.

As visitas domiciliares das três forças acompanhando os agentes de saúde é a terceira etapa da atuação dos militares no combate ao mosquito Aedes aegypti. Entre os dias 15 e 18 de fevereiro, cerca 50 mil de militares estarão diretamente envolvidos no combate ao mosquito, inspecionando possíveis focos de proliferação e, se for o caso, fazendo aplicação de larvicida em criadouros.

Para Rebelo, a participação da população tem papel “essencial e decisivo” no sucesso da campanha.“Como as doenças não têm vacina, a vacina é a mobilização e a conscientização da sociedade”,alertou o ministro.

A primeira etapa da campanha, que começou no dia 29 de janeiro, foi um mutirão de limpeza nas 1,2 mil organizações militares espalhadas por todo o Brasil. A segunda etapa ocorre no dia 13 de fevereiro e prevê a mobilização de 60% do efetivo total das Forças Armadas –cerca 160 mil homens e mulheres do Exército, 30 mil da Marinha e 30 mil da Força Aérea Brasileira.

A meta é visitar 3 milhões de residências, em 356 municípios, para conscientizar e orientar a população no combate ao mosquito. Também serão distribuídos panfletos com um número de telefone local que irá receber denúncias de locais onde possivelmente haja proliferação do mosquito.

A última ação militar prevista será em parceria com o Ministério da Educação, com visitas às escolas e conscientização das crianças e adolescentes sobre como evitar a proliferação do mosquito transmissor.

Fonte: Blog do Planalto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital