Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 02 > Mobilização da Educação Zika Zero será permanente, afirma ministro da Saúde

Saúde

Mobilização da Educação Zika Zero será permanente, afirma ministro da Saúde

Combate ao Aedes

Estudantes e professores deram, nesta sexta-feira, largada a esforço nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti
por Portal Brasil publicado: 19/02/2016 16h55 última modificação: 24/02/2016 15h21
Ministério da Saúde O ministro da Saúde vestiu o figurino de professor e deu uma aula sobre os riscos da picada do mosquito e a prevenção ao vírus zika, dengue e chikungunya aos alunos

O ministro da Saúde vestiu o figurino de professor e deu uma aula sobre os riscos da picada do mosquito e a prevenção ao vírus zika, dengue e chikungunya aos alunos

A mobilização de estudantes e professores no combate ao mosquito Aedes aegypti será permanente e sistemática, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Castro, nesta sexta-feira (19), em Brasília.

“Estamos fazendo essa grande mobilização nacional em escolas de todo o Brasil. Cada ministro está em uma capital do País, e essa ação vai continuar de maneira permanente. E, uma vez por mês, queremos, nas escolas, mobilizar toda a sociedade”, disse Castro.

Nesta sexta-feira, o governo federal, em parceria com Estados e municípios, realiza a Mobilização Nacional da Educação Zika Zero.

A ação de alcance em todo o País para eliminar o transmissor do zika vírus, dengue e chikungunya abrange 188.673 escolas da educação básica, 63 universidades e 40 institutos e centros federais de educação tecnológica em 115 municípios.

Numa convocação a alunos e professores, o ministro da Saúde vestiu o figurino de professor e deu uma aula sobre os riscos da picada do mosquito e a prevenção ao vírus zika, dengue e chikungunya aos alunos do colégio particular Ciman, em Brasília.

A palestra foi feita em uma escola particular, porque o período letivo nas escolas públicas do Distrito Federal será iniciado somente no próximo dia 29.

“Os estudantes estão bem informados, bem mobilizados”, elogiou Marcelo Castro.

Ele lembrou que dois terços do foco do mosquito estão nas residências e que os estudantes são importantes multiplicadores dos conhecimentos sobre combate ao mosquito e prevenção das doenças.

“Nós estudantes, assim como qualquer cidadão, podemos ajudar nossas famílias a tomar os cuidados necessários para combater o mosquito”, diz a estudante Larissa Vitória, de 15 anos.

O Brasil enfrenta uma epidemia de microcefalia (má-formação do cérebro de bebês) provocada pelo zika vírus, transmitido pelo Aedes aegypti.

Para conter a microcefalia e as infecções pelos vírus transmitidos pelo Aedes aegypti, o governo federal deflagrou ampla mobilização de agentes de saúde, militares, servidores e autoridades em nova fase que passa a abranger também o sistema público de ensino.

A estudante Yanna Calisto, de 15 anos, reforça que essa é uma luta que não pode ser perdida.

 “O mosquito é preocupante. Ele causa muitas doenças e leva à morte. E temos de combatê-lo, não podemos perder essa guerra."

Pesquisa

Após lançar a mobilização nas escolas, o ministro da Saúde visitou o Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (UnB).

Pesquisadores da UnB começaram uma pesquisa sobre zika a fim de verificar se esse é um tipo de agente restrito a um vírus ou se há possibilidades de se subdividir em mais de um tipo de vírus.

Após conhecer a pesquisa, o ministro da Saúde voltou a dizer que, enquanto não há vacina para o zika vírus, a forma mais importante de prevenção é a eliminação do mosquito.

Ele voltou a falar que as Forças Armadas seguem mantendo 55 mil homens mobilizados para identificar criadouros do Aedes aegypti. E que, fora isso, há 46 mil agentes de endemias e 266 mil agentes comunitários em vistoria nas residências para eliminação dos focos desse agente transmissor.

Fontes: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde e das estudantes Larissa Vitória e Yanna Calisto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital