Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 02 > Trote Cidadão inclui universitários no combate ao Aedes

Saúde

Trote Cidadão inclui universitários no combate ao Aedes

Universidade Federal da Paraíba

A mobilização de combate ao mosquito começou em 29 de janeiro, com a capacitação de mais de 300 funcionários
por Portal Brasil publicado: 06/02/2016 10h30 última modificação: 12/02/2016 15h30
Dennisson Vasconcelos/UFPB A campanha contra o mosquito já começou em todos os campi da UFPB, com distribuição de panfletos e conscientização de estudantes e funcionários

A campanha contra o mosquito já começou em todos os campi da UFPB, com distribuição de panfletos e conscientização de estudantes e funcionários

Calouros da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) participam de um trote solidário que envolve o combate ao Aedes aegypti nos campi da instituição. Com a ação, eles ajudam no combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. O "Trote Cidadão" conta com apoio das secretarias de saúde municipais.

Além do campus de João Pessoa, os campi de Bananeiras, Areia, Rio Tinto e Mamanguape e a unidade de Mangabeira recebem ações de combate ao mosquito e de conscientização.

“Vendo o problema do zika vírus, achamos importante assumir essa batalha contra o mosquito”, afirmou o vice-coordenador da Comissão de Gestão Ambiental (CGA) da UFPB, professor Ruy Portela.

Mobilização

A mobilização de combate ao mosquito começou em 29 de janeiro, com a capacitação de mais de 300 funcionários, responsáveis pela limpeza do campus I (João Pessoa), e a participação de agentes de saúde da capital paraibana. Os servidores estão aptos a vistoriar instalações, eliminar focos de insetos e realizar ações preventivas. No mesmo dia, foi feita uma varredura no campus, além de outras atividades no decorrer da semana.

O Trote Cidadão é uma extensão do já existente Trote Verde, aplicado na universidade desde 2010, que repassa a consciência ambiental aos novos alunos da UFPB com o replantio de espécies originárias da Mata Atlântica. Desde o início, foram plantadas mais de 3 mil mudas nos campi da instituição.

Para a reitora Margareth Diniz, ações como essa demonstram o engajamento de todos os segmentos de servidores da instituição. “Sempre pensando em promover o bem, tanto para a comunidade acadêmica quanto para toda sociedade que frequenta e utiliza os serviços que a UFPB disponibiliza.”

Fonte: Portal Brasil, com informações do MEC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital