Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 03 > Governo vai investir R$ 649 mi no enfrentamento a zika e Aedes aegypti

Saúde

Governo vai investir R$ 649 mi no enfrentamento a zika e Aedes aegypti

Pesquisas

Além do valor investido, presidenta Dilma acrescentou que serão somados mais R$ 500 milhões em financiamentos da Finep e BNDES, chegando a um total de R$ 1,2 bilhão
por Portal Brasil publicado: 23/03/2016 12h58 última modificação: 23/03/2016 14h22
Foto: José Cruz/Agência Brasil Combate ao zika e ao Aedes aegypti terão cerca de R$ 1,2 bilhão, disse a presidenta Dilma Rousseff

Combate ao zika e ao Aedes aegypti terão cerca de R$ 1,2 bilhão, disse a presidenta Dilma Rousseff

O governo anunciou nesta quarta-feira (23) a aplicação de R$ 649 milhões em ações de combate ao Aedes aegypti e às doenças transmitidas pelo mosquito – zika, dengue e chikungunya. Os recursos serão aplicados no diagnóstico, controle vetorial, pesquisas sobre o zika vírus, vacinas, tratamentos e inovação em gestão de serviços de saúde, saneamento e de políticas públicas. Em cerimônia no Palácio do Planalto, a presidenta Dilma Rousseff explicou que 93% desses recursos serão aplicados até 2018, ao final de seu mandato.

Além desse montante, aproximadamente R$ 500 milhões serão disponibilizados em forma de crédito para desenvolver novas tecnologias por meio de instituições como a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), explicou a presidenta. Ou seja, o combate ao mosquito, à dengue, zika e chikungunya pode ter até R$ 1,2 bilhão.

“Estamos investindo em tecnologia para combater o mosquito. A diretora-geral da OMS [Organização Mundial de Saúde], Margareth Chan, destacou, de forma enfática, a necessidade de termos sistema de diagnóstico próprio”, disse Dilma.

A presidenta ressaltou que a Fiocruz já esta trabalhando no teste de identificação dos três virus, o que vai melhorar os custos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Ela contou que fez o teste. “Trata de furar o dedo, assim como exame de diabetes, e dá em poucos minutos se você teve ou tem o vírus. Dá as duas informações. É um teste rápido, efetivo, que agora terá de ser certificado. Não teve problema nenhum eu fazer o teste, porque é só uma agulhinha que fura o dedo”, contou.

A presidenta ressaltou, entretanto, a importância das pesquisas brasileiras sobre o zika vírus e as parcerias internacionais sobre o tema. Mas neste momento, reiterou, enquanto ainda não há vacina para o zika, é indispensável combater o mosquito. “Reitero o pedido de 15 minutos por semana para fazer a vistoria em sua própria casa. Enquanto não temos a vacina, essa é a única forma de combater esse mosquito. Vamos mostrar que um mosquito não é mais forte que um país inteiro”, disse.

Edital

Durante a cerimônia, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou que já na próxima semana será lançado edital liberando R$ 20 milhões para projetos contra o mosquito e as doenças por ele transmitidos, que poderão ser solicitados por todo e qualquer pesquisador do País.

Do total de 649 milhões, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação vai investir R$ 198,2 milhões. Haverá ainda recursos dos Ministérios da Saúde e da Educação, além da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (R$ 156 milhões) para o financiamento de iniciativas em desenvolvimento, produção e comercialização de tecnologias.

O total de investimentos será dividido entre as cinco frentes consideradas prioritárias pelo governo para combater o Aedes aegypti e as doenças por ele provocadas, explica o MCTI.

  • 1) Diagnóstico: serão investidos recursos para o desenvolvimento de tecnologias para o diagnóstico do zika vírus, dengue e febre chikungunya, com testes sorológico e molecular, e no aperfeiçoamento de metodologias diagnósticas dos agravos decorrentes dessas três doenças, com aperfeiçoamento de protocolos e novas tecnologias.
  • 2) Controle vetorial: serão aplicados recursos em novas estratégias integradas para controle do vetor e desenvolvimento, aprimoramento e avaliação das tecnologias de controle, como o mosquito estéril, geneticamente modificado, com a bactéria Wolbachia, entre outras.
  • 3) Pesquisas sobre o zika vírus e sua relação com doenças e agravos: serão investidos recursos no desenvolvimento de modelo animal e in vitro para estudo, pesquisa da biologia do zika na infecção humana e no ciclo animal.
  • 4) Vacinas e tratamentos: serão aplicados recursos em pesquisas e desenvolvimento de vacinas e tratamentos para as enfermidades.
  • 5) Inovação em Gestão de Serviços de Saúde, de Saneamento e de Políticas Públicas: serão aplicados recursos para o desenvolvimento de ações inovadoras para serviços de saúde, saneamento e políticas públicas para o combate ao mosquito e doenças relacionadas.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTI

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Assunto(s): Saúde

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Campanha de vacinação segue até 30 de setembro
Postos de saúde, escolas e praças receberam crianças e adolescentes para atualizar os cartões de vacinação
Hospital Universitário de Brasília está em obras para ampliar atendimento
HUB está com alas recém-reformadas, que estão melhorando o atendimento à população
Saúde do adolescente: o macarrão é considerado um alimento saudável?
Especialista em nutrição do Ministério da Saúde responde perguntas de adolescentes sobre alimentação
Postos de saúde, escolas e praças receberam crianças e adolescentes para atualizar os cartões de vacinação
Campanha de vacinação segue até 30 de setembro
HUB está com alas recém-reformadas, que estão melhorando o atendimento à população
Hospital Universitário de Brasília está em obras para ampliar atendimento
Especialista em nutrição do Ministério da Saúde responde perguntas de adolescentes sobre alimentação
Saúde do adolescente: o macarrão é considerado um alimento saudável?

Últimas imagens

No transporte, deve-se levar em conta o risco de infecção do trabalhador
No transporte, deve-se levar em conta o risco de infecção do trabalhador
Venilton Küchler/Governo do Paraná
Médicos que completam três anos de atuação no Mais Médicos serão substituídos por novos profissionais a partir de novembro
Médicos que completam três anos de atuação no Mais Médicos serão substituídos por novos profissionais a partir de novembro
Karina Zambrana/Ministério da Saúde
Até o início de julho, são mais de 40,6 mil unidades em funcionamento
Até o início de julho, são mais de 40,6 mil unidades em funcionamento
Divulgação/Prefeitura de Guaratuba (PR)
A ingestão de frutas esteve presente em 98,8%
A ingestão de frutas esteve presente em 98,8%
Arquivo/Agência Brasil
A Anvisa tem dado prioridade para análise de medicamentos novos
A Anvisa tem dado prioridade para análise de medicamentos novos
Marcos Santos/USP Imagens

Governo digital