Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 03 > Governo vai investir R$ 649 mi no enfrentamento a zika e Aedes aegypti

Saúde

Governo vai investir R$ 649 mi no enfrentamento a zika e Aedes aegypti

Pesquisas

Além do valor investido, presidenta Dilma acrescentou que serão somados mais R$ 500 milhões em financiamentos da Finep e BNDES, chegando a um total de R$ 1,2 bilhão
por Portal Brasil publicado: 23/03/2016 12h58 última modificação: 23/03/2016 14h22
Foto: José Cruz/Agência Brasil Combate ao zika e ao Aedes aegypti terão cerca de R$ 1,2 bilhão, disse a presidenta Dilma Rousseff

Combate ao zika e ao Aedes aegypti terão cerca de R$ 1,2 bilhão, disse a presidenta Dilma Rousseff

O governo anunciou nesta quarta-feira (23) a aplicação de R$ 649 milhões em ações de combate ao Aedes aegypti e às doenças transmitidas pelo mosquito – zika, dengue e chikungunya. Os recursos serão aplicados no diagnóstico, controle vetorial, pesquisas sobre o zika vírus, vacinas, tratamentos e inovação em gestão de serviços de saúde, saneamento e de políticas públicas. Em cerimônia no Palácio do Planalto, a presidenta Dilma Rousseff explicou que 93% desses recursos serão aplicados até 2018, ao final de seu mandato.

Além desse montante, aproximadamente R$ 500 milhões serão disponibilizados em forma de crédito para desenvolver novas tecnologias por meio de instituições como a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), explicou a presidenta. Ou seja, o combate ao mosquito, à dengue, zika e chikungunya pode ter até R$ 1,2 bilhão.

“Estamos investindo em tecnologia para combater o mosquito. A diretora-geral da OMS [Organização Mundial de Saúde], Margareth Chan, destacou, de forma enfática, a necessidade de termos sistema de diagnóstico próprio”, disse Dilma.

A presidenta ressaltou que a Fiocruz já esta trabalhando no teste de identificação dos três virus, o que vai melhorar os custos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Ela contou que fez o teste. “Trata de furar o dedo, assim como exame de diabetes, e dá em poucos minutos se você teve ou tem o vírus. Dá as duas informações. É um teste rápido, efetivo, que agora terá de ser certificado. Não teve problema nenhum eu fazer o teste, porque é só uma agulhinha que fura o dedo”, contou.

A presidenta ressaltou, entretanto, a importância das pesquisas brasileiras sobre o zika vírus e as parcerias internacionais sobre o tema. Mas neste momento, reiterou, enquanto ainda não há vacina para o zika, é indispensável combater o mosquito. “Reitero o pedido de 15 minutos por semana para fazer a vistoria em sua própria casa. Enquanto não temos a vacina, essa é a única forma de combater esse mosquito. Vamos mostrar que um mosquito não é mais forte que um país inteiro”, disse.

Edital

Durante a cerimônia, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou que já na próxima semana será lançado edital liberando R$ 20 milhões para projetos contra o mosquito e as doenças por ele transmitidos, que poderão ser solicitados por todo e qualquer pesquisador do País.

Do total de 649 milhões, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação vai investir R$ 198,2 milhões. Haverá ainda recursos dos Ministérios da Saúde e da Educação, além da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (R$ 156 milhões) para o financiamento de iniciativas em desenvolvimento, produção e comercialização de tecnologias.

O total de investimentos será dividido entre as cinco frentes consideradas prioritárias pelo governo para combater o Aedes aegypti e as doenças por ele provocadas, explica o MCTI.

  • 1) Diagnóstico: serão investidos recursos para o desenvolvimento de tecnologias para o diagnóstico do zika vírus, dengue e febre chikungunya, com testes sorológico e molecular, e no aperfeiçoamento de metodologias diagnósticas dos agravos decorrentes dessas três doenças, com aperfeiçoamento de protocolos e novas tecnologias.
  • 2) Controle vetorial: serão aplicados recursos em novas estratégias integradas para controle do vetor e desenvolvimento, aprimoramento e avaliação das tecnologias de controle, como o mosquito estéril, geneticamente modificado, com a bactéria Wolbachia, entre outras.
  • 3) Pesquisas sobre o zika vírus e sua relação com doenças e agravos: serão investidos recursos no desenvolvimento de modelo animal e in vitro para estudo, pesquisa da biologia do zika na infecção humana e no ciclo animal.
  • 4) Vacinas e tratamentos: serão aplicados recursos em pesquisas e desenvolvimento de vacinas e tratamentos para as enfermidades.
  • 5) Inovação em Gestão de Serviços de Saúde, de Saneamento e de Políticas Públicas: serão aplicados recursos para o desenvolvimento de ações inovadoras para serviços de saúde, saneamento e políticas públicas para o combate ao mosquito e doenças relacionadas.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTI

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Assunto(s): Saúde

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo reafirma compromisso com políticas de saúde no Nordeste
Ministro da Saúde apresentou pontos prioritários para estimular oportunidades de negócios na área da saúde
A importância do leite materno
Você sabe por que o leite materno é tão importante para o desenvolvimento do seu bebê? Conheça os benefícios do aleitamento
Mitos e verdades: alimentação da mãe
O que a mãe come enquanto está amamentando tem influência sobre o bebê? Saiba o que um pediatra tem a dizer sobre isso
Ministro da Saúde apresentou pontos prioritários para estimular oportunidades de negócios na área da saúde
Governo reafirma compromisso com políticas de saúde no Nordeste
Você sabe por que o leite materno é tão importante para o desenvolvimento do seu bebê? Conheça os benefícios do aleitamento
A importância do leite materno
O que a mãe come enquanto está amamentando tem influência sobre o bebê? Saiba o que um pediatra tem a dizer sobre isso
Mitos e verdades: alimentação da mãe

Últimas imagens

O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos
O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Divulgação/EBC

Governo digital