Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 03 > Ministério da Saúde esclarece divergências com Instituto Butantan

Saúde

Ministério da Saúde esclarece divergências com Instituto Butantan

Esclarecimento

De acordo com a pasta, o órgão de pesquisa ainda não cumpriu as formalidades exigidas pela lei para repasse de recursos
por Portal Brasil publicado: 09/03/2016 19h44 última modificação: 10/03/2016 16h45

O Ministério da Saúde divulgou uma nota, nesta quarta-feira (9), contestando declarações de representantes do Instituto Butantan, que alegaram a falta de repasse de verbas para o desenvolvimento do soro contra o zika vírus. Segundo a pasta, o laboratório não entregou o relatório de atividades, documento obrigatório para fundamentar o início do repasse dos R$ 8,5 milhões previstos.

De acordo com a cláusula 6.1.1 do contrato assinado entre as partes, os repasses estão condicionados à entrega deste documento por parte do Instituto Butantan. "Mesmo estando dentro dos prazos previstos para início das transferências (até 30 dias após sua assinatura), o Ministério da Saúde fica impedido de destinar os valores diante desta pendência", afirmou o ministério, na nota divulgada hoje .

Sobre o contrato referente ao valor de R$ 100 milhões para a terceira fase clínica da vacina da dengue, o Ministério da Saúde explicou que os documentos exigidos para a liberação de recursos somente foram entregues pelo Instituto Butantan para análise da pasta na última terça-feira (8), após as declarações veiculadas na imprensa.

Na mesma nota, o órgão afirma também que "os gestores públicos devem unir esforços no combate ao Aedes aegypti e às doenças transmitidas pelo vetor diante da situação de emergência em saúde. A pasta trata como prioridade as novas tecnologias relacionadas ao tema, já tendo firmado importantes parcerias nacionais e internacionais. O Brasil tem sido protagonista e o Ministério da Saúde reafirma que não poupará recursos para que seja possível desvendar a atuação do vírus zika e combater, de forma efetiva, seu alcance".

Confira abaixo a íntegra da nota:

O Ministério da Saúde considera contraditórias as falas de representantes do Instituto Butantan sobre o não repasse de verbas da pasta para o projeto de desenvolvimento de soro contra o vírus Zika, uma vez que o laboratório não entregou documento obrigatório para a liberação de recursos. Desde a assinatura do contrato (22/2) até a manhã desta quarta-feira (9/3), o Ministério da Saúde não recebeu o relatório de atividades que fundamentaria o início do repasse dos R$ 8,5 milhões previstos.

Pela cláusula 6.1.1 do contrato (veja aqui), os repasses de recursos estão condicionados a entrega deste documento por parte do Instituto Butantan. Mesmo estando dentro dos prazos previstos para início das transferências (até 30 dias após sua assinatura), o Ministério da Saúde fica impedido de destinar os valores diante desta pendência.

Sobre o contrato referente ao valor de R$ 100 milhões para a terceira fase clínica da vacina da dengue, o Ministério da Saúde esclarece que os documentos exigidos para a liberação de recursos somente foram entregues pelo Instituto Butantan para análise da pasta nesta terça-feira, 8 de março, após as declarações do diretor do laboratório na imprensa. Segundo a cláusula 6.1.1 deste contrato (veja aqui), também assinado no dia 22/2, o Instituto Butantan deve apresentar os  relatórios de estudo clínico da fase II, o plano detalhado do estudo de fase III e o plano de aplicação de recursos.

O Ministério da Saúde reforça ainda que os gestores públicos devem unir esforços no combate ao Aedes aegypti e às doenças transmitidas pelo vetor diante da situação de emergência em saúde. A pasta trata como prioridade as novas tecnologias relacionadas ao tema, já tendo firmado importantes parcerias nacionais e internacionais. O Brasil tem sido protagonista e o Ministério da Saúde reafirma que não poupará recursos para que seja possível desvendar a atuação do vírus Zika e combater, de forma efetiva, seu alcance.

Contrato Nº 2/2016 – Novas Tecnologias para controle da infecção pelo vírus Zika

Contrato Nº 1/2016 – Desenvolvimento dos Estudos Clínicos da Fase III

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fiocruz participa da Semana Nacional dos Museus com uma série de atividades
Museu da Vida da Fiocruz, no Rio de Janeiro, apresenta uma programação especial em homenagem à Semana Nacional dos Museus
Campanha do Ministério da Saúde incentiva a doação de leite materno
Ministério da Saúde lançou campanha para incentivar a doação de leite materno com slogan "Um pouquinho do que você doa, é tudo para quem precisa"
Governo decreta fim da Emergência Nacional para o vírus zika e microcefalia
Governo decretou fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para o vírus zika e a microcefalia. Medida ocorre após queda na ocorrência dos casos do vírus no País.
Museu da Vida da Fiocruz, no Rio de Janeiro, apresenta uma programação especial em homenagem à Semana Nacional dos Museus
Fiocruz participa da Semana Nacional dos Museus com uma série de atividades
Ministério da Saúde lançou campanha para incentivar a doação de leite materno com slogan "Um pouquinho do que você doa, é tudo para quem precisa"
Campanha do Ministério da Saúde incentiva a doação de leite materno
Governo decretou fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para o vírus zika e a microcefalia.  Medida ocorre após queda na ocorrência dos casos do vírus no País.
Governo decreta fim da Emergência Nacional para o vírus zika e microcefalia

Últimas imagens

Glaucoma não tem cura, mas pode ser controlado com colírios ou cirurgia
Glaucoma não tem cura, mas pode ser controlado com colírios ou cirurgia
Divulgação/Governo do Espírito Santo
O laboratório público Bio-Manguinhos/Fiocruz produz cerca de 6 milhões de doses mensais da vacina
O laboratório público Bio-Manguinhos/Fiocruz produz cerca de 6 milhões de doses mensais da vacina
Divulgação/Ministério da Saúde
Percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente deve aumentar em no mínimo 17,8%
Percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente deve aumentar em no mínimo 17,8%
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
Índice de reajuste pode ser aplicado somente a partir da data de aniversário de cada contrato
Índice de reajuste pode ser aplicado somente a partir da data de aniversário de cada contrato
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital