Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 03 > Publicação britânica destaca ações do Brasil contra zika e microcefalia

Saúde

Publicação britânica destaca ações do Brasil contra zika e microcefalia

CIência

Artigo produzido por pesquisadores brasileiros destaca as iniciativas do governo federal para ampliar o conhecimento sobre o zika vírus
por Portal Brasil publicado: 01/03/2016 14h34 última modificação: 03/03/2016 10h59
Divulgação/Blog da Saúde De acordo com os pesquisadores, um plano estratégico para a ação governamental deve ser apresentado em torno de seis componentes centrais

De acordo com os pesquisadores, um plano estratégico para a ação governamental deve ser apresentado em torno de seis componentes centrais

O artigo "zika vírus e microcefalia no Brasil: uma agenda científica" ganhou destaque na publicação britânica The Lancet, especializada em temas ligados à saúde. O texto, produzido por pesquisadores brasileiros, destaca as iniciativas do governo federal para ampliar o conhecimento sobre o zika vírus e as suas consequências para a saúde pública no País e em todo o mundo.

De acordo com os pesquisadores, para alcançar melhores chances de sucesso, um plano estratégico para a ação governamental deve ser apresentado em torno de seis componentes centrais.

O primeiro objetivo é ampliar a base de evidência da infecção, das doenças, e dos resultados potenciais das pesquisas sobre zika. Apesar de ser conhecida há várias décadas, o zika vírus foi um assunto negligenciado, possivelmente por causa de seus efeitos leves e seu alcance limitado. A criação de uma equipe multidisciplinar, incluindo clínicos bem treinados, epidemiologistas, geneticistas, neurologistas, obstetras, entre outros, fará com que seja possível gerar, compartilhar e analisar um grande volume de dados.

O segundo componente é desenvolver um teste sorológico rápido e confiável. Atualmente, o diagnóstico de zika se baseia na detecção de RNA viral, que está presente apenas em um breve período da viremia. De acordo com os pesquisadores, é essencial ter testes sorológicos confiáveis e mais sensíveis e específicos. O terceiro eixo é controlar a infestação por Aedes aegypti com o objetivo de reduzir a infecção e a doença. Apesar de o controle do mosquito ter sido uma prioridade nacional, estudos precisam avaliar a eficácia de novas formas propostas de controle de vetores, como mosquitos infectados com a bactéria wolbachia.

A quarta meta do plano é definir protocolos para o tratamento de casos agudos, em particular as mulheres grávidas, e prevenção das consequências de malformações congênitas graves e incapacitantes. Não há nenhum tratamento comprovado hoje para o zika vírus e qualquer novo tratamento terá de ser seguro para as grávidas. O quinto objetivo é iniciar as bases para o desenvolvimento de vacinas, prospecção e avaliação de possíveis estratégias tecnológicas. Tendo em vista as dificuldades no controle do mosquito vetor e a ausência de outras formas de tratamento e prevenção, o desenvolvimento de uma vacina contra zika parece ser essencial para o controle a longo prazo da doença.

O sexto e último objetivo do plano estratégico é a reprogramação do sistema de saúde como consequência da epidemia. Para lidar com esta nova situação, será fundamental definir os recursos adequados para pesquisa, formação e capacitação. Segundo os autores do artigo, a cooperação internacional exigirá um complexo nível de coordenação e um grande esforço das agências reguladoras para aumentar as chances de sucesso dentro de um prazo razoável.

 O texto é assinado pelo presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Paulo Gadelha, pelo vice-presidente de Pesquisa e Laboratórios de Referência, Rodrigo Stabeli, pelo coordenador do Centro de Relações Internacionais em Saúde, Paulo Buss, pelo diretor da Fiocruz Bahia, Manoel Barral-Netto, pelos pesquisadores da Fiocruz Mauricio Barreto e Pedro Vasconcelos, além de Naomar Almeida-Filho, da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e Mauro Teixeira, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Fonte: Blog da Saúde


Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Porque gestantes devem tomar a vacina da gripe
A médica Silândia Amaral Freitas explica porque as gestantes não devem deixar de tomar a dose da vacina
Fórum Global Alusivo ao Dia Mundial de Doação de Leite
Governo lança conteúdo em espanhol para profissionais de saúde sobre o amamentação de bebês nascidos com microcefalia
Governo e Cartoon Network convocam crianças a combater o Aedes
Crianças são convocadas, como super-heróis, para combater o mosquito responsável por transmitir dengue, chikungunya e zika
A médica Silândia Amaral Freitas explica porque as gestantes não devem deixar de tomar a dose da vacina
Porque gestantes devem tomar a vacina da gripe
Governo lança conteúdo em espanhol para profissionais de saúde sobre o amamentação de bebês nascidos com microcefalia
Fórum Global Alusivo ao Dia Mundial de Doação de Leite
Crianças são convocadas, como super-heróis, para combater o mosquito responsável por transmitir dengue, chikungunya e zika
Governo e Cartoon Network convocam crianças a combater o Aedes

Últimas imagens

Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Divulgação/EBC
Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto
Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto
Infográfico mostra resultado de acordo entre governo federal e indústrias de alimentos para diminuir quantidade de sal em produtos
Infográfico mostra resultado de acordo entre governo federal e indústrias de alimentos para diminuir quantidade de sal em produtos

Governo digital