Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 07 > Casos de infarto aumentam 30% durante inverno

Saúde

Casos de infarto aumentam 30% durante inverno

Cardiopatias

Sistema cardiovascular fica mais suscetível a complicações em baixas temperaturas. Vacina contra gripe ajuda a evitar infartos
por Portal Brasil publicado: 01/07/2016 15h23 última modificação: 01/07/2016 17h06
Elza Fiúza/Agência Brasil Idosos acima de 65 anos são grupo mais sensível. Vacina contra gripe reduz até 10% número de infartos

Idosos acima de 65 anos são grupo mais sensível. Vacina contra gripe reduz até 10% número de infartos

O infarto é uma das principais causas de morte entre os brasileiros. Durante o período de inverno, o número de casos atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) chega a subir cerca de 30%, especialmente entre a população idosa. Isso porque entre julho e agosto, quando as temperaturas médias ficam em torno de 14 graus em algumas regiões do País, a reação do corpo ao frio pode desencadear esse quadro. 

Segundo o cardiologista do Instituto do Coração (Incor), Luiz Antônio Machado César, que desenvolveu um estudo sobre o tema, os casos são mais recorrentes entre pessoas com mais de 65 anos, cujo sistema cardiovascular é mais frágil. Esse também é o caso de pessoas com hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e obesidade, que têm maior propensão a doenças coronárias, que reduzem o calibre dos vasos. 

"Ao se expor ao frio, há a contração das artérias, o que pode provocar a quebra da placa de aterosclerose. Isso leva a formação de um coágulo dentro da artéria, que entope e causa o infarto", esclareceu o médico. 

Causas

O infarto ocorre quando o fluxo de sangue nos vasos que irrigam o coração é interrompido, seja por coágulos ou obstrução das artérias pelo acúmulo de gordura. Mas, durante o inverno, há outros fatores que contribuem para o aumento de casos. Nesse período, o corpo libera mais adrenalina para equilibrar a temperatura corporal, e, para isso, reduz a espessura dos vasos, que se contraem.

Também nessa época, há a elevação na ocorrência de infecções respiratórias. Por isso, Machado alerta: "não sair no frio e, se precisar sair, que seja bem protegido".

O médico também lembrou que a poluição do ar é outro fator que aumenta o risco de infartos nessa época do ano, por causa da inversão térmica. Esse é um fenômeno comum nas grandes cidades, quando a camada de ar mais frio, que concentra os poluentes, fica retida perto da superfície pelo ar quente, que é menos denso.  Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto

Prevenção

A prevenção contra o infarto está ligada à adoção de hábitos saudáveis no longo prazo, como manter uma dieta balanceada com a ingestão de, no mínimo, cinco variedades de frutas, prática de pelo menos 30 minutos de exercícios físicos diários e não fumar. Essas práticas evitam o surgimento e o agravamento de doenças coronárias e diminuem as chances de infarto em até 75%, segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS). 

Machado também ressaltou que a vacinação para prevenir a gripe é outra maneira de evitar problemas cardiovasculares no inverno. De acordo com o cardiologista, a vacina reduz de 6% a 10% a quantidade de internações por infarto nos hospitais públicos. 

"A vacina diminui a incidência desses problemas, por isso tem sentido ser aplicada em pessoas de mais idade, nas que já sabem que têm doenças crônicas e grávidas", afirma.

Consequências

Dependendo do tempo para o socorro e a gravidade do problema, o paciente pode enfrentar consequências por conta do infarto, como insuficiência cardíaca. Em geral, o acompanhamento médico será para toda a vida, com o uso de medicação como aspirina e estatina, que reduzem as taxas de colesterol e freiam a evolução da doença.  

Casos

Ao todo, no ano passado, 101.156 pacientes foram internados por conta do infarto do miocárdio. Desses, 87.234 morreram nos hospitais, o equivalente a 86% das internações. Segundo a OMS, todos os anos, 17,5 milhões de pessoas morrem no mundo por causa de infartos, o que representa 31% dos óbitos. 

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital