Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2016 > 09 > Saiba quais são os critérios da lista de espera por transplantes

Saúde

Saiba quais são os critérios da lista de espera por transplantes

Doação de órgãos

Relações de pacientes são administradas pela Coordenação-Geral do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), do Ministério da Saúde, por meio de sistema informatizado
por Portal Brasil publicado: 27/09/2016 11h56 última modificação: 27/09/2016 11h56
Foto: EBC/Arquivo Paciente à espera de um transplante precisa estar inscrito no Cadastro Técnico Único

Paciente à espera de um transplante precisa estar inscrito no Cadastro Técnico Único

Atualmente, o Brasil tem o maior sistema público de transplantes do mundo, com mais de 20 mil cirurgias por ano. Desde o início do século, já foram realizados mais de 335 mil transplantes. 

Da mesma maneira, o número de carências também cresceu. De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, as maiores listas de espera para a realização de transplantes são para rim, fígado e pâncreas/rim, respectivamente.

As filas de cada órgão

Cada órgão tem uma fila de espera específica, baseadas na Lei nº 9.434/1997, no Decreto nº 2.268/1997 e na Portaria GM/MS nº 2.600/2009. As relações de pacientes são administradas pela Coordenação-Geral do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), do Ministério da Saúde, por meio de sistema informatizado.

A principal característica das listas é que elas não funcionam por ordem de chegada, em que o primeiro a se inscrever receberá o órgão antes do segundo e assim consecutivamente. Em vez disso, os critérios obedecem a condições médicas. São três fatores determinantes: compatibilidade dos grupos sanguíneos, tempo de espera e gravidade da doença.

Por exemplo, se pela ordem de chegada o primeiro colocado na fila é uma pessoa com tipo sanguíneo A e um órgão de um doador tipo B fica disponível, a primeira colocada não vai receber o transplante.

Da mesma maneira, a gravidade do estado de saúde do paciente é mais determinante que o tempo de espera. Assim, pacientes com maior risco de morte têm a preferência.

No caso dos transplantes de fígado, por exemplo, esse risco é mensurado por um índice matemático chamado Model for End-stage Liver Disease, ou Meld (em português, Modelo para a Doença Hepática em Estágio Terminal, em uma tradução aproximada). O cálculo é feito com base nos exames laboratoriais do doente. Quanto maior for o resultado desse cálculo, mais à frente da lista o paciente é posicionado.

Já no caso dos rins, os médicos retiram os órgãos do doador, coletam exames e fazem uma análise genética completa. Com o resultado em mãos, eles fazem um comparativo com todas as pessoas que esperam um rim e classificam esses pacientes por compatibilidade.

Os mais compatíveis ganham mais pontos. O tempo de espera também conta, mas há outros vários fatores. Condições médicas como diabetes, por exemplo, garantem maior pontuação, entre outros. Quem somar mais pontos recebe o órgão. Cada vez que um rim fica disponível, um ranking diferente é gerado.

Prioridade regional

O paciente à espera de um transplante precisa estar inscrito no Cadastro Técnico Único. Apesar de o sistema de transplantes e a fila serem nacionais, as distribuições são regionalizadas.

Isso significa que o órgão do doador é viabilizado para um receptor do mesmo Estado da federação. Isso acontece, primeiramente, por questões de logística de transporte. Além disso, considera-se o tempo de isquemia, isto é, o prazo de duração que o órgão resiste sem irrigação fora do corpo.

Coração e pulmões são órgão só resistem por quatro e seis horas, respectivamente, sem irrigação fora do corpo.

Se um coração está disponível em Minas Gerais, o sistema busca, primeiramente, um receptor no mesmo Estado. Se não for esse o caso e os critérios de prioridade não responderem à localização do doador, o órgão será disponibilizado para paciente mais próximo do Estado e que atenda aos critérios médicos exigidos. 

O Sistema Nacional de Transplantes tem um prontuário eletrônico que o paciente (ou o responsável) pode acessar pela internet, com o número e senha que recebe ao fazer inscrição no Cadastro Técnico Único.

 

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde, Câmara dos Deputados e Associação Brasileira de Transplante de Órgãos

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Redução é acompanhada do aumento das inciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti
Redução é acompanhada do aumento das inciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Kits contêm 30 tipos de medicamentos e 18 tipos de insumos
Kits contêm 30 tipos de medicamentos e 18 tipos de insumos
Arquivo/EBC
Candidatos poderão escolher até quatro cidades de preferência e concorrer às vagas
Candidatos poderão escolher até quatro cidades de preferência e concorrer às vagas
Arquivo/EBC
Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)

Governo digital