Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2017 > 05 > Especialização de hospitais é aposta para gerar eficiência

Saúde

Especialização de hospitais é aposta para gerar eficiência

Referência em Saúde

Nove unidades de saúde federais do Rio de Janeiro vão passar por mudanças para se tornarem referência em áreas cirúrgicas
por Portal Brasil publicado: 17/05/2017 18h58 última modificação: 18/05/2017 10h22

Nos próximos dois meses, seis hospitais federais e três institutos no Rio de Janeiro vão passar por mudanças para elevar a eficiência na gestão dos recursos e ampliar os atendimentos. Cada unidade deverá se especializar em procedimentos específico para que se torne referência em cada área.

Cada hospital terá um perfil cirúrgico para aumentar a quantidade desses procedimentos. Desse modo, será possível fazer compras em escala, diminuindo os custos. Setores com baixa produção em uma unidade serão realocados para outra, onde a estrutura existente poderá ser melhor aproveitada pela população.

“Este trabalho certamente vai ser muito útil para convergir em nosso esforço de dar produtividade, eficiência e qualidade de serviço nos hospitais federais do Rio. Teremos mais cirurgias sendo realizadas e com equipes preparadas para atender a esse aumento”, afirmou o ministro Ricardo Barros.

Também será contratada uma consultoria com especialistas em administração hospitalar do Hospital Sírio Libanês (SP) para promover nos seis hospitais federais e nos três institutos o funcionamento em rede, possibilitando o ganho em escala e em especialização, reduzindo custos e construindo uma rede mais eficiente para a população.

A contratação da consultoria se dará pelo Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS), que possibilita às entidades de saúde de referência assistencial participar do desenvolvimento do Sistema Único de Saúde, transferindo tecnologias de gestão e de atenção úteis para serem adaptadas pela rede pública, além de desenvolverem pesquisas de interesse do SUS.

Fila Única

As medidas ainda preveem a criação de uma fila única para o atendimento à população. Pela proposta, as filas de pacientes que necessitam de cirurgia serão inseridas na Central Única de Regulação. Esses pacientes serão assistidos pelas redes federal, estadual e municipal de saúde e demais prestadores conveniados ao SUS e, assim, poderão ser atendidos mais rapidamente. Os estados têm até o dia 10 de junho para inserir todos os pacientes que aguardam por cirurgias e exames em uma fila única.

“Todos os cidadãos saberão o seu lugar na fila, por isso a importância da fila única. Todos saberão o momento da sua cirurgia e a central que distribuirá as cirurgias”, ponderou o ministro.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital