Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2017 > 11 > Tratamento de Parkinson no SUS terá dois novos remédios

Saúde

Tratamento de Parkinson no SUS terá dois novos remédios

Doença degenerativa

Além dos medicamentos, estão disponíveis procedimentos de estimulação cerebral como implantes de eletrodo e de gerador de pulsos
publicado: 17/11/2017 16h50 última modificação: 17/11/2017 18h03

O tratamento de Parkinson no Sistema Único de Saúde (SUS) agora conta com dois novos medicamentos. Com investimento total de R$ 17,91 milhões, a Rasagilina (1 mg) e a Clozapina (25 mg e 100 mg) trarão mais qualidade de vida aos pacientes com a doença, que afeta cerca de 200 mil pessoas em todo o Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde, a Rasagilina estará disponível até o fim de fevereiro nas unidades de saúde. A substância é voltada para pacientes que iniciaram o tratamento na fase inicial da doença. Já a Clozapina, que já era oferecida no SUS para tratamento de transtorno bipolar e esquizofrenia, agora poderá ser usada também por pacientes com Parkinson que apresentam sintomas psicóticos.

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec), com base em solicitação da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, aprovou a oferta dos remédios. Em 9 de novembro, foi publicada a portaria que renovou o Protocolo de Tratamento para Parkinson no Diário Oficial da União. O documento foi criado em 2002 e descreve os principais sinais e sintomas da doença, determinando ainda o tratamento.

Tratamentos

Cerca de 1% da população mundial possui Parkinson, informa a Organização Mundial de Saúde (OMS). A doença neurodegenerativa provoca, em geral, problemas motores, como tremor, rigidez muscular, bradicinesia (lentidão na resposta) e alterações posturais, e ainda sintomas psicóticos à medida que a doença progride, processo que costuma ser lento.

Além dos remédios, estão disponíveis no SUS procedimentos de estímulo cerebral, como implantes de eletrodo e de gerador de pulsos. Existem 27 estabelecimentos que realizam neurocirurgia funcional estereotáxica 105/008, método minimamente invasivo de cirurgia cerebral, pelo Ministério da Saúde: dois habilitados como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia e 25 habilitados como Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia.

Os pacientes do SUS já tinham acesso a sete medicamentos para tratar a doença: Pramipexol; Amantadina; Bromocriptina; Entacapona; Selegilina; Tolcapona e Triexifenidil. Três outras substâncias, Levodopa+Carbidopa, Biperideno e Levodopa, podem ser compradas com até 90% de desconto no Programa Farmácia Popular.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil