Você está aqui: Página Inicial > Turismo > 2017 > 10 > Importação de equipamentos de parques temáticos pode ficar mais simples

Turismo

Importação de equipamentos de parques temáticos pode ficar mais simples

Comércio

A partir de mudança na taxação, segmento prevê investimentos de R$ 1,9 bilhão no Brasil nos próximos cinco anos, gerando cerca de 56 mil empregos
publicado: 18/10/2017 15h10 última modificação: 08/12/2017 15h42
Nilo Biazzetto Neto/Ministério do Turismo Ministério da Indústria está realizando consulta para verificar se não há empresas nacionais que produzam os equipamentos

Ministério da Indústria está realizando consulta para verificar se não há empresas nacionais que produzam os equipamentos

Uma nova medida para trazer parques temáticos ao Brasil está sendo debatida pelos ministérios do Turismo e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

As pastas estão estudando modificar a classificação dos equipamentos utilizados pelo setor para bens de capital e, assim, facilitar a importação desses materiais sem equivalentes nacionais.

Com as mudanças, o segmento pretende investir R$ 1,9 bilhão no Brasil nos próximos cinco anos, gerando cerca de 56 mil empregos, garante estudo do Sistema Integrado de Parques de Atrações Turísticas (Sindepat)

Hoje, há 18 parques cadastrados no Sindepat, responsáveis por movimentar, anualmente, R$ 1 bilhão na economia e por gerar 11 mil empregos diretos. 

Segundo o ministro do Turismo, Marx Beltrão, as maiores marcas do setor têm se expandido as suas operações em diversas partes do mundo, com grandes investimentos e milhares de empregos gerados. "Se fizermos alguns ajustes, temos totais condições de nos consolidar como o grande hub de parques temáticos da Américas Central e do Sul”, disse.

“Estamos avançando. Temos trabalhado para atender às demandas do setor, porque sabemos que elas são importantes para gerar emprego e renda para o País”, emendou o ministro da Indústria, Marcos Pereira.

"Extremamente atrativo"

Em agosto último, o presidente da Associação Internacional de Parques e Atrações Turísticas (IAAPA, em inglês) e vice-presidente global da Disney, Greg Hale, esteve no Brasil e afirmou que o País tem espaço para investimentos. "O clima, o tamanho do mercado e a cultura tornam o Brasil extremamente atrativo”, disse.

Segundo ele, a Disneyland Paris recebe R$ 15 milhões de visitantes por ano e que Singapura já atraiu R$ 5,2 bilhões com investimentos ligados a parques temáticos. 

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério do Turismo e do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil