Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 01 > Brasil lança negociações para acordo de livre comércio entre Mercosul e EFTA

Economia e Emprego

Brasil lança negociações para acordo de livre comércio entre Mercosul e EFTA

Comércio exterior

Em Davos, o ministro Marcos Pereira, destacou a importância da parceria para a ampliação das relações comerciais dos países do Mercosul
por Portal Brasil publicado: 19/01/2017 17h54 última modificação: 20/01/2017 17h15

O Brasil iniciou, nesta quinta-feira (19), em Davos, na Suíça, as negociações para um possível acordo de livre comércio entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA), bloco formado pela Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

As negociações, durante o Fórum Econômico Mundial, contaram com a participação do ministro da Indústria, Comercio Exterior e Serviços, Marcos Pereira. O ministro destacou a importância da parceria para a ampliação das relações comerciais dos países do Mercosul.

“No Brasil, estamos promovendo uma atualização significativa da nossa política econômica e comercial para assegurar uma inserção competitiva do País na economia global. Ao lado dos demais membros do Mercosul, procuramos novos parceiros para aumentar, diversificar e melhorar nossas relações comerciais, a fim de contribuir para o crescimento e a estabilidade da economia brasileira”, afirmou o ministro.

O ministro disse ainda que a aprovação de um mandato para negociar com a EFTA, pelo Grupo do Mercado Comum do Mercosul, é uma clara indicação da alta prioridade para as negociações.

Os maiores ganhos para o Brasil com a conclusão do acordo concentram-se nos bens básicos. Em relação aos bens industriais, os setores mais beneficiados serão os de químicos orgânicos, vestuário e calçados, produtos de cerâmica e madeira.

Com o acordo, o Brasil poderá obter insumos mais baratos para produção de bens industriais, aumentando a competitividade de seus produtos. Além disso, a EFTA possui posição relevante no comércio internacional de bens, sendo que a Suíça é o 11º no ranking da Organização Mundial do Comércio (OMC) dos principais importadores em 2015 (participação de 1,9% das importações mundiais), e a Noruega é 24º nesse ranking (0,6% das importações mundiais).

Além da redução tarifária, o possível acordo incluirá disciplina sobre barreiras não tarifárias, ajudando exportadores brasileiros que eventualmente enfrentem essas barreiras naquele mercado.

Intercâmbio comercial

Em 2016, as exportações brasileiras para a EFTA totalizaram US$ 2,4 bilhões (participação de 1,3%), sendo que os produtos manufaturados representaram 64,9%, os semimanufaturados 25,9% e os básicos 9%.

Os principais produtos exportados pelo País foram plataformas de perfuração ou exploração (32,6%), óxidos e hidróxidos de alumínio (24,3%), soja em grãos (4,0%), ouro em formas semimanufaturadas (3,7%) e café em grãos (1,9%).

Fonte: Portal Brasil, com informações do MDIC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Brasil e Estados Unidos debatem ampliação do comércio bilateral
A Embaixada do Brasil em Washington (EUA) participou de um encontro, nesta semana, com parlamentares e empresários no Congresso Americano
A Embaixada do Brasil em Washington (EUA) participou de um encontro, nesta semana, com parlamentares e empresários no Congresso Americano
Brasil e Estados Unidos debatem ampliação do comércio bilateral

Últimas imagens

Embargo foi mantido para frigoríficos investigados pela PF
Embargo foi mantido para frigoríficos investigados pela PF
Arquivo/Agência Brasil
Presidente Temer faz brinde com embaixador chinês Li Jinzhang, durante jantar em churrascaria no último dia 19, em Brasília
Presidente Temer faz brinde com embaixador chinês Li Jinzhang, durante jantar em churrascaria no último dia 19, em Brasília
Foto: Beto Barata/PR
No bimestre, investidores estrangeiros apostaram US$ 16,8 bilhões no setor produtivo brasileiro. Dinheiro foi para todos os ramos
No bimestre, investidores estrangeiros apostaram US$ 16,8 bilhões no setor produtivo brasileiro. Dinheiro foi para todos os ramos
Autoridade monetária revisou para cima a projeção do saldo comercial para este ano
Autoridade monetária revisou para cima a projeção do saldo comercial para este ano
Tânia Rêgo /Agência Brasil

Governo digital