Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 01 > Inflação termina 2016 no menor nível em três anos

Economia e Emprego

Inflação termina 2016 no menor nível em três anos

Custo de vida

Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminou o ano em 6,29%, menor taxa desde 2013. Preços de alimentos ajudaram
por Portal Brasil publicado: 11/01/2017 10h01 última modificação: 12/01/2017 15h35

A inflação oficial do Brasil fechou 2016 no menor nível em três anos. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 6,29% – valor abaixo do teto da meta (6,5%) e muito inferior ao resultado de 2015, quando a taxa havia sido de 10,67%. A desaceleração dos preços no ano passado foi a maior da última década. Os dados, divulgados nesta quarta-feira (11), são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse resultado foi fortemente influenciado pela queda expressiva de preços de produtos importantes para os brasileiros, principalmente de alimentos. 

Com essas quedas, o IPCA de dezembro, resultado conhecido apenas hoje, ficou em 0,30% – o mais baixo para meses de dezembro desde 2008, quando a inflação foi de 0,28%. No último mês do ano passado, o grupo alimentos variou apenas 0,08% frente a novembro.

O resultado do ano veio ainda melhor que o esperado pelo Banco Central. No último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado em dezembro do ano passado, a instituição projetava uma desaceleração do custo de vida no Brasil, mas para 6,5%, valor que é o limite máximo de tolerância.

Projeções para 2017

A expectativa do BC é de que o custo de vida continue a desacelerar nos próximos meses. Ao fim de 2017, a previsão é de que o IPCA recue para 4,4%, percentual que se confirmado fará com que o Brasil, pela primeira vez desde 2009, termine o ano com a inflação abaixo do centro da meta.

Itens muito consumidos pelos brasileiros apresentaram queda no mês passado. Um das mais importantes foi a batata, com recuo de 16,12%. A lista segue com feijão carioca (-13,77%), feijão mulatinho (-4,39%), leite longa vida (-3,97%), açaí (-3,47%), tomate (-2,04%), chocolate em barra e bombom (-1,80%) e refeição fora de casa (-0,12%).

Conta de luz mais barata

Fora do grupo alimentação, o resultado de dezembro foi favorecido pelos preços de energia elétrica, que recuaram 3,70%. O IBGE explicou que essa queda nos preços se deve à volta da bandeira tarifária verde em 1º de dezembro, em substituição à amarela, que implicava em custo adicional de R$ 1,50 por cada 100 kilowatts-hora consumidos.

Ainda segundo o instituto, houve queda de 11,49% nas contas de energia de Porto Alegre (RS), reflexo da redução de 16,28% nas tarifas de uma das concessionárias, a partir do dia 22 de novembro. No Rio de Janeiro, o recuo na energia elétrica (-4,98%) refletiu a redução de 11,73% em uma das concessionárias locais, revisão que ocorreu em 07 de novembro.

Fonte: Portal Brasil, com informações do IBGE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Saiba mais sobre as contas inativas do FGTS
Trabalhador que pediu demissão ou teve seu contrato de trabalho finalizado até 2015 tem direito ao saque das contas inativas do FGTS
Trabalhador que pediu demissão ou teve seu contrato de trabalho finalizado até 2015 tem direito ao saque das contas inativas do FGTS
Saiba mais sobre as contas inativas do FGTS

Últimas imagens

No ano, o saldo comercial do País está positivo em US$ 40,782 bilhões
No ano, o saldo comercial do País está positivo em US$ 40,782 bilhões
Arquivo EBC
Saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço já injetaram R$ 42,3 bilhões na economia
Saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço já injetaram R$ 42,3 bilhões na economia
Foto: Rodrigo de Oliveira/Caixa
Ação integrada vai apoiar venezuelanos a imunizar e inspecionar o rebanho
Ação integrada vai apoiar venezuelanos a imunizar e inspecionar o rebanho
Arquivo/ Agência Brasil
Ministros Marcos Pereira (MDIC) e Aloysio Nunes Ferreira (MRE) assinaram acordo representando o País
Ministros Marcos Pereira (MDIC) e Aloysio Nunes Ferreira (MRE) assinaram acordo representando o País
Divulgação/ MDIC

Governo digital