Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 01 > Inflação termina 2016 no menor nível em três anos

Economia e Emprego

Inflação termina 2016 no menor nível em três anos

Custo de vida

Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminou o ano em 6,29%, menor taxa desde 2013. Preços de alimentos ajudaram
por Portal Brasil publicado: 11/01/2017 10h01 última modificação: 12/01/2017 15h35

A inflação oficial do Brasil fechou 2016 no menor nível em três anos. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 6,29% – valor abaixo do teto da meta (6,5%) e muito inferior ao resultado de 2015, quando a taxa havia sido de 10,67%. A desaceleração dos preços no ano passado foi a maior da última década. Os dados, divulgados nesta quarta-feira (11), são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse resultado foi fortemente influenciado pela queda expressiva de preços de produtos importantes para os brasileiros, principalmente de alimentos. 

Com essas quedas, o IPCA de dezembro, resultado conhecido apenas hoje, ficou em 0,30% – o mais baixo para meses de dezembro desde 2008, quando a inflação foi de 0,28%. No último mês do ano passado, o grupo alimentos variou apenas 0,08% frente a novembro.

O resultado do ano veio ainda melhor que o esperado pelo Banco Central. No último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado em dezembro do ano passado, a instituição projetava uma desaceleração do custo de vida no Brasil, mas para 6,5%, valor que é o limite máximo de tolerância.

Projeções para 2017

A expectativa do BC é de que o custo de vida continue a desacelerar nos próximos meses. Ao fim de 2017, a previsão é de que o IPCA recue para 4,4%, percentual que se confirmado fará com que o Brasil, pela primeira vez desde 2009, termine o ano com a inflação abaixo do centro da meta.

Itens muito consumidos pelos brasileiros apresentaram queda no mês passado. Um das mais importantes foi a batata, com recuo de 16,12%. A lista segue com feijão carioca (-13,77%), feijão mulatinho (-4,39%), leite longa vida (-3,97%), açaí (-3,47%), tomate (-2,04%), chocolate em barra e bombom (-1,80%) e refeição fora de casa (-0,12%).

Conta de luz mais barata

Fora do grupo alimentação, o resultado de dezembro foi favorecido pelos preços de energia elétrica, que recuaram 3,70%. O IBGE explicou que essa queda nos preços se deve à volta da bandeira tarifária verde em 1º de dezembro, em substituição à amarela, que implicava em custo adicional de R$ 1,50 por cada 100 kilowatts-hora consumidos.

Ainda segundo o instituto, houve queda de 11,49% nas contas de energia de Porto Alegre (RS), reflexo da redução de 16,28% nas tarifas de uma das concessionárias, a partir do dia 22 de novembro. No Rio de Janeiro, o recuo na energia elétrica (-4,98%) refletiu a redução de 11,73% em uma das concessionárias locais, revisão que ocorreu em 07 de novembro.

Fonte: Portal Brasil, com informações do IBGE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Fundo oferta R$ 10 bi para empresas do Centro-Oeste
Financiamentos destinam-se a diversos setores da economia e contribuem para a geração de emprego e renda na região.
Financiamentos destinam-se a diversos setores da economia e contribuem para a geração de emprego e renda na região.
Fundo oferta R$ 10 bi para empresas do Centro-Oeste

Últimas imagens

Bandeira não é um custo extra, ela sinaliza o custo de geração da energia elétrica que será cobrada
Bandeira não é um custo extra, ela sinaliza o custo de geração da energia elétrica que será cobrada
Divulgação/EBC
O Pronaf fechou a safra de 2015/2016 com um montante de R$ 22,1 bilhões, atendendo a 1,7 milhão de agricultores
O Pronaf fechou a safra de 2015/2016 com um montante de R$ 22,1 bilhões, atendendo a 1,7 milhão de agricultores
Divulgação/MDAS
Repatriação de ativos soma quase US$ 50 bilhões, segundo Banco Central
Repatriação de ativos soma quase US$ 50 bilhões, segundo Banco Central
Marcos Santos/USP Imagens
Gastos e despesas com acidentes e doenças relacionadas ao trabalho atingem 4% do Produto Interno Bruto (PIB)
Gastos e despesas com acidentes e doenças relacionadas ao trabalho atingem 4% do Produto Interno Bruto (PIB)
Arquivo/Agência Brasil
Todos os animais deverão ser vacinados, exceto os dos rebanhos do Acre, Espírito Santo, Paraná e São Paulo
Todos os animais deverão ser vacinados, exceto os dos rebanhos do Acre, Espírito Santo, Paraná e São Paulo
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital