Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2011 > 12 > Entenda como funcionam os contratos para exploração do petróleo no Brasil

Infraestrutura

Entenda como funcionam os contratos para exploração do petróleo no Brasil

Energia

Brasil utiliza modelo de concessão quando há grande risco exploratório e o de partilha para extrações de baixo risco, como os do Pré-sal; A Pré-Sal Petróleo S.A. será a empresa responsável pela gestão de contratos de partilha de produção e comercialização de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos na área do Pré-sal
por Portal Brasil publicado: 13/12/2011 15h00 última modificação: 28/07/2014 13h21

O Brasil utiliza duas formas para exploração do petróleo: o de concessão e o de partilha. O primeiro modelo é adotado quando há grande risco exploratório. Neste caso, o óleo retirado pertence à empresa que o extrai e a União recebe taxas e royalties referentes a essa extração. 

Já na área do Pré-sal, ao contrário, o risco exploratório é baixo. Ou seja, a possibilidade de encontrar petróleo é maior e, assim, torna-se mais apropriado o sistema de partilha. A empresa que vence a licitação é a empresa que ofertar a maior parcela de óleo para a União. Por Lei, a Petrobras é a operadora única nesta modalidade.

A Petrobras ressalta que as descobertas da camada do Pré-sal no Brasil provocaram uma inversão do risco exploratório no País, propiciando mais investimentos. Afinal, as companhias levam em consideração o valor da remuneração e o risco geológico do empreendimento. 

No caso brasileiro, a Petrobras  destaca ainda uma vantagem adicional: a estabilidade jurídica do País, um fator de segurança no cumprimento dos contratos. Sem contar que os recursos provenientes da exploração do Pré-sal poderão ser canalizados pelo Estado para investimentos na área social, como educação, por meio dos recursos que sejam aportados no Fundo Social.

No Pré-sal, a Petrobras – empresa que tem o governo brasileiro como acionista principal – será a operadora da extração e terá pelo menos 30% de todos os blocos, conforme o modelo de partilha aprovado pelo Congresso Nacional em 2010. Como operadora, a Petrobras fica responsável pela condução principal das atividades de exploração e produção. 

O modelo de partilha é adotado com sucesso em países que têm grande produção de petróleo com menor risco exploratório, como Angola, Nigéria e Indonésia, enquanto países com maior risco, como Estados Unidos e Noruega, adotam o modelo de concessão, assim como na área do pós-sal brasileiro (as reservas do pós-sal encontram-se acima da camada de sal, ou seja, acima do Pré-sal).

Enquanto a Petrobras comanda a operação, a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA, controlada pelo governo brasileiro) será a empresa responsável pela gestão dos contratos de partilha de produção e comercialização de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos na área do Pré-sal. 

A PPSA não terá envolvimento na exploração das jazidas de petróleo, nem na produção e comercialização dos produtos, mas será fundamental, por exemplo, para arbitrar nos casos em que as jazidas da área do Pré-sal e das áreas estratégicas se estendam por áreas não-concedidas ou não-contratadas sob o regime de partilha de produção.

Fontes:
Petrobras
Lei nº 12.304/2010 - Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Administração de Petróleo e Gás Natural S.A.- Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA)
Lei nº 12.351/2010 - Dispõe sobre a exploração e a produção de petróleo, de gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos, sob o regime de partilha de produção
Ministério de Minas e Energia

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo federal investe R$ 30 bilhões para combater a seca no nordeste brasileiro
Só com o projeto de Integração do Rio São Francisco, cerca de 12 milhões de pessoas serão beneficiadas
Projeto de Integração do Rio São Francisco vai beneficiar 12 milhões de pessoas
Orçadas em R$ 9,6 bilhões, as obras, com 477 quilômetros, estão em fase final nos eixos norte e leste. O projeto é uma prioridade do governo federal e passa pelos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte
Minha Casa Minha Vida beneficia 5 mil pessoas no município de Mogi Guaçu
O programa Minha Casa Minha Vida beneficiou cerca de 5 mil pessoas da cidade de Mogi Guaçu (SP). Os investimentos do governo federal, na obra, são da ordem de R$ 119 milhões
Só com o projeto de Integração do Rio São Francisco, cerca de 12 milhões de pessoas serão beneficiadas
Governo federal investe R$ 30 bilhões para combater a seca no nordeste brasileiro
Orçadas em R$ 9,6 bilhões, as obras, com 477 quilômetros, estão em fase final nos eixos norte e leste. O projeto é uma prioridade do governo federal e passa pelos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte
Projeto de Integração do Rio São Francisco vai beneficiar 12 milhões de pessoas
O programa Minha Casa Minha Vida beneficiou cerca de 5 mil pessoas da cidade de Mogi Guaçu (SP). Os investimentos do governo federal, na obra, são da ordem de R$ 119 milhões
Minha Casa Minha Vida beneficia 5 mil pessoas no município de Mogi Guaçu

Últimas imagens

Picos de demanda da operação especial estão previstos para os dias 24 de fevereiro  e 1º de março
Picos de demanda da operação especial estão previstos para os dias 24 de fevereiro e 1º de março
Divulgação/Ministério dos Transportes
Investimentos previstos para a derrocagem são de R$ 181,5 milhões
Investimentos previstos para a derrocagem são de R$ 181,5 milhões
Edsom Leite/MTPA
Novo contrato prevê investimentos da ordem de R$ 160 milhões e atenderá mais 11,5 mil famílias
Novo contrato prevê investimentos da ordem de R$ 160 milhões e atenderá mais 11,5 mil famílias
Divulgação/Governo do Acre
Codevasf também vai construir passagem molhada de 20m de extensão por 4,5m de largura
Codevasf também vai construir passagem molhada de 20m de extensão por 4,5m de largura
Divulgação/Codevasf
Aguadas já existentes e as previstas têm volume de acumulação entre 7m³ e 21m³
Aguadas já existentes e as previstas têm volume de acumulação entre 7m³ e 21m³
Divulgação/Codevasf

Governo digital