Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2015 > 01 > Projeto Garoupa protege espécie de peixe ameaçada

Meio Ambiente

Projeto Garoupa protege espécie de peixe ameaçada

Desenvolvimento sustentável

Base em Ilha Bela (SP) cria larvas em cativeiro para reprodução assistida. Iniciativa pretende evitar a extinção da garoupa
por Portal Brasil publicado: 22/01/2015 12h18 última modificação: 22/01/2015 12h18
Divulgação/Agência Petrobras Técnica utilizada no projeto propicia reprodução em cativeiro inédita no mundo

Técnica utilizada no projeto propicia reprodução em cativeiro inédita no mundo

O Projeto Garoupa, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, está contribuindo para evitar a extinção da chamada garoupa verdadeira (Mycteroperca marginata), peixe listado entre as espécies globalmente ameaçadas de extinção pela União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN).

Uma base foi montada em Ilhabela (SP) para a larvicultura da espécie, que consiste na criação de larvas de peixes em cativeiro para reprodução assistida em tanques com cuidados especiais como controle de temperatura e salinidade da água.

As desovas no local totalizam mais de 1 milhão de larvas geradas e estocadas em tanques de vinil. A reprodução da espécie em cativeiro é inédita no mundo e a taxa de sucesso da eclosão já alcança 95%.

O objetivo, no entanto, é aumentar ainda mais esse índice, uma vez que a sobrevivência final de espécies obtidas da larvicultura fica entre 5 a 10% da desova inicial.

Segundo o engenheiro de pesca, mestre em Biologia Marinha e coordenador geral do Projeto Garoupa, Maurício Roque da Mata Júnior, a garoupa é um peixe marinho carnívoro com tamanho entre 1,60 e 1,70 m e peso entre 80 e 90 kg que se alimenta de lulas, polvos, sardinhas e bonitos, entre outros peixes, e vive nas águas do Brasil, da África, do Caribe e do Mar Mediterrâneo.

“A carne é bastante apreciada na culinária brasileira, mas o consumo da espécie tem sido predatório. Com o patrocínio da Petrobras, temos o objetivo de repor as populações para que o recurso natural esteja disponível na natureza para uso com parcimônia, de forma sustentável", explica Maurício Roque. 

Para evitar a extinção da garoupa verdadeira, o Projeto Garoupa está presente em sete municípios do Rio de Janeiro (Angra dos Reis, Itaguaí, Mangaratiba, Paraty, Cabo Frio, Arraial do Cabo e Búzios) e quatro de São Paulo (Ubatuba, Ilhabela, Caraguatatuba e São Sebastião).

O projeto trabalha com o reconhecimento dos habitats desse peixe, locais que oferecem abrigo e alimento à garoupa. Abrange a coleta de dados físicos desses habitats, tais como a quantidade e o tamanho das tocas do peixe, a temperatura da água, medida várias vezes ao dia, e detalhes sobre a topografia da região.

O Projeto Garoupa reúne, também, dados biológicos, tais como a quantidade de peixes existentes, a identificação de cada um por fotos e a identificação de bentos (seres que vivem próximos ou grudados ao substrato marinho e servem de alimento à fauna).

A sobrevivência dos peixes é monitorada na natureza através de técnicas como a telemetria (obtenção, processamento e transmissão de dados à distância). Por fim, é feita a larvicultura da garoupa. “Um plantel (grupo de animais selecionados) de 20 reprodutores pegos na natureza é trocado com frequência, para garantir a variabilidade genética”, diz Maurício Roque.

Complementa o trabalho a educação ambiental de crianças, adolescentes e adultos em escolas públicas e de outros públicos, como quilombolas, índios, pescadores e turistas, através de palestras e oficinas, assim como a formação de multiplicadores.

"É preciso agir em múltiplas frentes. Não há tempo a perder. A legislação brasileira proíbe a pesca da garoupa com menos de 47 cm. Com esse tamanho, todos os peixes da espécie - que é hermafrodita temporária - são ainda fêmeas, tornando-se machos os maiores peixes quando atingem de 0,9 cm a um metro", complementa Roque.

Programa Petrobras Socioambiental

Por meio do Programa Petrobras Socioambiental: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos, a Petrobras investe em projetos de todo o país, com foco nas linhas de atuação Produção Inclusiva e Sustentável, Biodiversidade e Sociodiversidade, Direitos da Criança e do Adolescente, Florestas e Clima, Educação, Água e Esporte.

Fonte:
Agência Petrobras

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

Embrapa recupera áreas da Chapada dos Veadeiros
Acompanhe o trabalho de recuperação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que sofreu um incêndio de grandes proporções, com a destruição da vegetação nativa, em outubro de 2017
ANA premia projetos de gestão e uso sustentável da água
Projetos de todo o País combatem a poluição, o desperdício de água e contribuem para a gestão e o uso sustentável dos recursos hídricos
Governo discute plano de combate ao lixo no mar
Pesquisadores, ambientalistas e representantes do governo discutem a elaboração de um plano nacional para combater a poluição no mar
Acompanhe o trabalho de recuperação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que  sofreu um incêndio de grandes proporções, com a destruição da vegetação nativa, em outubro de 2017
Embrapa recupera áreas da Chapada dos Veadeiros
Projetos de todo o País combatem a poluição, o desperdício de água e contribuem para a gestão e o uso sustentável dos recursos hídricos
ANA premia projetos de gestão e uso sustentável da água
Pesquisadores, ambientalistas e representantes do governo discutem a elaboração de um plano nacional para combater a poluição no mar
Governo discute plano de combate ao lixo no mar

Últimas imagens

Água
Divulgação/EBC
Amazônia
Divulgação/Governo do Pará
RPPN Volta Velha - Padre Piet Van Der Art
Divulgação/Facebook Reserva Volta Velha (SC)
Costa dos Corais (AL)
Divulgação/Governo de Alagoas
Alteração na lei prevê a promoção de iniciativas que promovam o uso das águas pluviais, que podem ser usadas para a manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais
Alteração na lei prevê a promoção de iniciativas que promovam o uso das águas pluviais, que podem ser usadas para a manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais
Foto: Tony Winston/Governo de Brasília

banner_servico.jpg

Governo digital