Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2017 > 08 > Maioria dos incêndios no Brasil tem origem na ação humana

Meio Ambiente

Maioria dos incêndios no Brasil tem origem na ação humana

Queimadas

Focos podem começar de forma proposital ou por descuido; causas naturais, como raios, representam porcentagem mínima
por Portal Brasil publicado: 08/08/2017 15h40 última modificação: 15/08/2017 21h42
Arquivo/Valter Campanato/Agência Brasil Queimadas provocam efeito cascata: com o fim da vegetação, aumenta o risco de morte de animais e de florestas atingidas pelo fogo

Queimadas provocam efeito cascata: com o fim da vegetação, aumenta o risco de morte de animais e de florestas atingidas pelo fogo

Com anos de atuação no monitoramento de queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o pesquisador Alberto Setzer, atual coordenador da área, é taxativo: mais de 99% dos incêndios florestais em território nacional são iniciados por ação humana. “Alguns são propositais, outros, por descuido, mas sempre com ação humana”, afirma. As causas naturais – a maior delas, no Brasil, são os raios – explica, são responsáveis por menos de 1%.

Setzer se refere tanto ao produtor que vai fazer uma queimada no fundo do quintal e perde o controle do fogo, provocando um incêndio gigantesco, quanto aos incêndios dolosos, em áreas de conflito ou em florestas sendo transformadas em pasto.

A situação pode ainda se agravar em períodos mais secos. Nos anos mais secos e quentes, haverá mais queimadas, pois o fogo se propaga de maneira mais fácil. Em 2010, por exemplo, foi um dos piores anos no passado recente. Em contrapartida, em anos úmidos, cai muito o número de detecções de incêndios porque, com terra úmida e precipitação maior, o fogo se propaga de forma mais restrita, como em 2008.

O tempo seco atinge os estados em diferentes meses do ano. Em Roraima, por exemplo, o pior período para ocorrência de incêndios é no fim e início do ano, de dezembro a março. No Sudeste, entre julho e setembro. No Pará, entre agosto e novembro. No Centro-Oeste, entre julho e novembro. 

Impactos

A curto e longo prazos, os danos causados pelos incêndios são enormes. Segundo o chefe do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo), Gabriel Zacarias, a gama de prejuízos é tão grande que qualquer estimativa acaba subestimada. 

Uma das consequências diretas geradas pelas queimadas é a morte da vegetação, que implica falta de alimento para animais e, consequentemente, a sua morte. “Então, ocorre uma degradação ambiental significativa”, ressalta Zacarias.

Além disso, a exposição do solo ao fogo faz com que ele aqueça, perca sua microfauna, que não está habituada à exposição a altas temperaturas. Em contrapartida, com as chuvas, a incidência da água no solo acelera os processos de erosão com transporte de matéria orgânica, que vai para os rios e, assim, estes são assoreados. Há também perda de produtividade do solo e de matéria orgânica.

O efeito estufa, além de ser um problema por si só, acarreta a diminuição de chuvas, que implica mais seca, mais propensão a incêndios e perda de produtividade nas áreas agrícolas.

Outra consequência dos incêndios é a liberação de fumaça, que causa problemas respiratórios na população, além de aumentar o número de internações e gerar mais gastos com a saúde pública.

Para mudar esse cenário, o Ministério do Meio Ambiente, por meio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), realiza fiscalização das queimadas criminosas e orienta os produtores rurais nas melhores práticas de preparo da terra.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Inpe, do Ibama e do MMA

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

ICMBio completa 10 anos de atuação
Instituto agrega 324 unidades de conservação, que somam quase 80 milhões de hectares - o equivalente a 9% do território nacional
Confira as oportunidades geradas pelas Unidades de Conservação
Unidades de Conservação oferecem oportunidades para as comunidades do entorno e também aos visitantes. Confira entrevista com o presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski
ICMBio amplia trabalho de prevenção a incêndios
Presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, explica as ações do instituto para combater queimadas que ameaçam flora e fauna do País
Instituto agrega 324 unidades de conservação, que somam quase 80 milhões de hectares - o equivalente a 9% do território nacional
ICMBio completa 10 anos de atuação
Unidades de Conservação oferecem oportunidades para as comunidades do entorno e também aos visitantes. Confira entrevista com o presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski
Confira as oportunidades geradas pelas Unidades de Conservação
Presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, explica as ações do instituto para combater queimadas que ameaçam flora e fauna do País
ICMBio amplia trabalho de prevenção a incêndios

Últimas imagens

Redução chega a 76% quando comparada a 2004. Os estados com maior queda são Tocantins (55%) e Roraima (43%)
Redução chega a 76% quando comparada a 2004. Os estados com maior queda são Tocantins (55%) e Roraima (43%)
Foto: Gilberto Soares/MMA
Processos passaram a ser mais ágeis, dinâmicos, e conferem mais vantagens aos produtores
Processos passaram a ser mais ágeis, dinâmicos, e conferem mais vantagens aos produtores
Foto: Eduardo Aigner/MDA
Nos municípios selecionados, haverá direcionamento das ações de fiscalização ambiental
Nos municípios selecionados, haverá direcionamento das ações de fiscalização ambiental
Divulgação/Ministério do Meio Ambiente

banner_servico.jpg

Governo digital