Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2017 > 10 > Programas federais promovem proteção e desenvolvimento da Amazônia

Meio Ambiente

Programas federais promovem proteção e desenvolvimento da Amazônia

Dia da Amazônia

Projetos buscam desenvolvimento sustentável, combatem queimadas, devastação e desmatamento
publicado: 18/10/2017 12h42 última modificação: 14/12/2017 11h14
Foto: Jefferson Rudy/MMA A Amazônia é o maior bioma do País e ocupa 4,2 milhões de quilômetros quadrados

A Amazônia é o maior bioma do País e ocupa 4,2 milhões de quilômetros quadrados

A Amazônia é o maior bioma do Brasil e um dos maiores do mundo: a floresta abriga cerca de um terço de toda a biodiversidade de fauna e flora mundiais.

São 4,2 milhões de quilômetros quadrados de floresta, onde vivem 300 espécies de mamíferos, 1,3 mil espécies de aves, 3 mil espécies de peixe e mais de 30 mil espécies de plantas - são 2,5 mil tipos de árvores, das quais saem um terço de toda a madeira tropical do mundo.

Além da biodiversidade, a região é berço também da Bacia Amazônica, a mais extensa rede hidrográfica do globo terrestre. Com cobertura de 6 milhões de quilômetros quadrados, a bacia passa por vários países da América do Sul, sendo o Brasil responsável por abrigar 63% das águas. O local possui 1,1 mil afluentes e é onde fica o Rio Amazonas, que lança 175 milhões de litros de água no mar por segundo.

Toda essa riqueza conta com apoio do Governo do Brasil para programas e ações de proteção, preservação e desenvolvimento sustentável, que têm gerado dados positivos para a região. Após dois anos de aumentos consecutivos, o desmatamento na Amazônia Legal caiu 16% entre agosto de 2016 e julho deste ano, por exemplo, segundo estudo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados na última terça-feira (17). 

Atualmente, uma série de órgãos da administração pública são responsáveis por projetos que, entre outras linhas de ação, combatem desmatamentos e queimadas, garantem recursos para gestão de Unidades de Conservação (UCs) e investem em infraestrutura de comunicações. Conheça alguns exemplos.

Plano contra o desmatamento

Em 2004, o governo deu início ao Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm), para reduzir o desmatamento da região em 80% até 2020. Dois anos depois, em 2016, a taxa já era 72% menor.

O plano compreende cerca de 150 atividades de ordem territorial e fundiário; monitoramento por satélite, controle ambiental e promoção de atividades produtivas sustentáveis.

Programa Amazônia Sem Fogo

Para reduzir os incêndios florestais no País, foi criado, em 1999, o Programa Amazônia Sem Fogo. A iniciativa também busca a melhoria das condições de vida dos produtores rurais. As ações são de emergência e desenvolvimento, por meio de atividades formativas de capacitação, divulgação e negociação nas comunidades rurais.

O programa fortalece, assim, os componentes locais de prevenção e de resposta aos incêndios florestais, além de difundir alternativas às práticas agrícolas com fogo.

Plano Amazônia Sustentável

O Planao Amazônia Sustentável promove o desenvolvimento sustentável da região, atuando nos processos de ocupação do território e uso dos recursos naturais, valorizando a diversidade cultural e ecológica da região.  

Projeto Amazônia SAR

A iniciativa monitora a Amazônia durantes os meses de clima meteorológico adverso (de outubro a abril) com radar orbital, tecnologia que permite observar a terra mesmo com a constante barreira de nuvens.

O foco é coibir o desmatamento ilegal identificando ilícitos, reunindo informações de operações de fiscalização. São cerca de 950 mil quilômetros quadrados monitorados mensalmente pelo radar orbital.

Programa Arpa

Lançado em 2002, o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) foi criado para proteger 60 milhões de hectares da Amazônia e promover o desenvolvimento sustentável da região. Atualmente, o Arpa apoia 114 unidades de conservação, um total de 59,2 milhões de hectares. 

Assentamentos Verdes

O programa visa a coibir o desmatamento ilegal em áreas de reforma agrária na Amazônia. As ações buscam fortalecer a regularização fundiária, recuperação de áreas com geração de renda e segurança alimentar para as famílias e monitoramento e controle ambiental.

A meta é o atendimento de 980 áreas de reforma agrária, em 199 municípios, alcançando 190 mil famílias até 2019.

Programa Calha Norte

Criado em 1985, o Programa Calha Norte atende a comunidades locais por meio de obras como a construção de rodovias, portos, pontes, escolas, creches, hospitais, poços de água potável e redes de energia elétrica.

O programa está presente também na Ilha do Marajó (PA) e na região ao sul da bacia do Amazonas, alcançando os limites dos estados de Rondônia e Mato Grosso. Atualmente, o Calha Norte abrange 194 municípios em seis estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima.

Amazônia Conectada

Coordenada pelo Ministério da Defesa, a iniciativa prevê instalação de 7,8 mil km de cabos no fundo de rios amazônicos, que ligarão a capital, Manaus, a outros 52 municípios que, antes do programa, não contavam com infraestrutura de telecomunicações.

Cerca de 4 milhões de pessoas serão beneficiadas com um dos maiores projetos de fibra óptica subaquática do mundo. Municípios como Coari, Tefé, Cucuí, Manacapuru, Novo Airão e Tabatinga já contam com a infraestrutura necessária para ter serviços como banda larga e rede 3G/4G.

Missão Amazônia

A Missão Amazônia, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), fornece imagens de satélite que permitem observar e monitorar o desmatamento, especialmente na região amazônica. Os dados gerados são úteis para atender a programas ambientais e monitoramento da região costeira, reservatórios de água, florestas naturais e cultivadas, desastres ambientais, entre outros.

Inventário Florestal Nacional - Amazônia

A iniciativa do Serviço Florestal Brasileiro na Amazônia produz informações acerca de recursos florestais, estoque de carbono e uso do território pelas populações da região.

O levantamento inclui, por exemplo, espécies existentes, altura e diâmetro das árvores, biomassa, entre diversos outros parâmetros úteis na elaboração de políticas públicas para promover o uso e a conservação de florestas. São feitas, ainda, entrevistas com moradores da região, para conhecer a relação deles com o recurso florestal.


Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério do Meio Ambiente, do Ministério da Defesa, da Embrapa, do Ibama, do Incra, do Exército Brasileiro, do Inpe e do Serviço Florestal Brasileiro

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil