Turismo

Acessibilidade

Turismo acessível é tema de curso em Pernambuco

De acordo com o IBGE, Brasil tem cerca de 45,6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência – e mais da metade desse público (58,3%) não tem trabalho
publicado: 04/08/2015 11h01, última modificação: 23/12/2017 10h41
Turismo acessível é tema de curso em Pernambuco

Recife promoveu Curso de Informações Turísticas para pessoas com Síndrome de Down - Foto: Rinaldo Fonseca

A empresa de Turismo de Pernambuco promoveu na semana passada o primeiro Curso de Informações Turísticas para pessoas com Síndrome de Down. Com o objetivo de valorizar a diversidade e a inclusão social, os profissionais tiveram aulas sobre relacionamento e visitaram destinos como o Museu Cais do Sertão e o Paço do Frevo, em Recife e, passam agora, a trabalhar na empresa.

Bruno Ribeiro, 23 anos, é turismólogo e tem síndrome de Down. Ele representa uma demanda cada vez maior de profissionais com deficiências físicas e intelectuais que buscam colocações no mercado. Esta é uma das razões que levou o Ministério do Turismo a investir no programa Turismo Acessível. Lançado em novembro de 2012, o programa reúne ações de inclusão social que facilitam o acesso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida à atividade turística, com segurança e autonomia.

O programa é uma parceria com a Embratur, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

No ano passado, o Ministério lançou o Guia Turismo Acessível, um site colaborativo que permite ao turista, com deficiência ou não, cadastrar e avaliar restaurantes, estabelecimentos e atrações turísticas segundo seu nível de acessibilidade. São mais de 530 mil estabelecimentos para avaliação, em que é possível notificar a existência de rampas em um hotel, os cardápios em braile em restaurantes e os banheiros adaptados em diversos estabelecimentos.

Este ano, o Ministério do Turismo vai participar pela primeira vez do Dia D, uma ação do Ministério do Trabalho e Emprego, para promover o elo entre as empresas com postos de trabalho abertos e pessoas com deficiência em 25 de setembro. 

Atualmente, alguns estados, como Pernambuco, Rio de Janeiro, Alagoas, São Paulo e Rio Grande do Sul, oferecem equipamentos como esteiras e cadeiras anfíbias, para facilitar o acesso de pessoas com deficiência à praia, além de promover atividades como vôlei sentado e bocha adaptada.

Segundo uma pesquisa de Serviços de Hospedagem realizada pelo IBGE em 2011 por encomenda do MTur nas 27 capitais brasileiras, do total de 250.284 unidades habitacionais existentes, apenas 3.253 são adaptadas.

O agente de viagens Ricardo Shimosakai, que é cadeirante e atua há 11 anos no setor, afirma que tem dificuldades para encontrar quartos acessíveis para clientes com deficiência. Para ele, o tema ainda é visto como uma barreira para o empresário, de modo que muitos estabelecimentos ainda não incluíram as informações em seus sites e materiais promocionais.

Fonte

Ministério do Turismo.

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems