Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 10 > 97% dos casos de emergência que chegam às UPAs são solucionados

Saúde

97% dos casos de emergência que chegam às UPAs são solucionados

por Portal Brasil publicado: 15/10/2012 17h26 última modificação: 29/07/2014 09h02
Divulgação / Governo do Rio de Janeiro Adultos e crianças podem ser atendidos nas UPAs. Os médicos clínicos e pediatras estão capacitados e qualificados para atendimento de emergência.

Adultos e crianças podem ser atendidos nas UPAs. Os médicos clínicos e pediatras estão capacitados e qualificados para atendimento de emergência.

A procura pelo serviço desafoga o fluxo nos grandes hospitais resolvendo várias situações de emergência, como vítimas de acidentes e problemas cardíacos

 

Aproximadamente 97% dos problemas que chegam as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) são resolvidos nas unidades, que ainda estão preparadas para atender, por exemplo, vítimas de acidentes e problemas cardíacos, de acordo com o Ministério da Saúde.

São 236 Unidades espalhadas em todo o País, atendendo a população 24 horas por dia. Cerca de 300 mil atendimentos são realizados proporcionando acolhimento de urgência e emergência. Entre as especialidades oferecidas estão: dentistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, farmacêuticos e assistentes sociais. Além disso, as unidades também realizam exames laboratoriais, raio-x, sutura, medicação e nebulização.

Um dos objetivos da UPA 24h é funcionar como unidade intermediária, colaborando para desafogar os prontos-socorros hospitalares e melhorando o acesso dos brasileiros aos serviços de emergência no SUS. Assim, o pronto-socorro fica liberado para atender casos mais graves e de alta complexidade.

As UPAs 24h estão inseridas na rede Saúde Toda Hora, que está reorganizando a atenção às urgências e emergências no Sistema Único de Saúde (SUS).

Localize aqui as Unidades de Pronto Atendimento em funcionamento no Brasil.

 

Atendimentos 

Os pacientes que procuram as UPAs são avaliados de acordo com a classificação de risco, ou seja, os casos mais graves terão prioridade. Após o atendimento, o paciente pode ser liberado ou permanecer em observação em até 24 horas. Caso necessário, pode ser removido para um hospital de referência. As UPAs atuam integradas com outros serviços do Sistema Único de Saúde (SUS),  como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), as Unidades Básicas de Saúde (UBS). As unidades estão inseridas na Rede Saúde Toda Hora, que está reorganizando as urgências no País.

A estratégia de atendimento está diretamente relacionada ao trabalho do Samu 192, que organiza o fluxo de atendimento e encaminha o paciente ao serviço de saúde adequado à situação. Nas unidades, os pacientes são avaliados de acordo com uma classificação de risco, podendo ser liberados ou permanecer em observação por até 24 horas ou, se necessário, serem removidos para um hospital de referência.

O objetivo da rede Saúde Toda Hora é que a comunicação entre as centrais de regulação com o Samu, as UPAs e os hospitais torne o atendimento ainda mais rápido, reduzindo mortes ou sequelas ao paciente. Esse formato de funcionamento, integrado entre várias unidades de promoção, prevenção e atendimento à saúde, é uma das principais características da ação. Outros equipamentos compõem essa rede como a Atenção Básica, as Salas de Estabilização, a Força Nacional do SUS e o programa Melhor em Casa

 

Estrutura 

As UPAs 24h também possuem salas de observação, que são individuais para pacientes com doenças infectocontagiosas e salas para estabilização do paciente grave. Ele recebe atendimento necessário até que o quadro clínico seja estabilizado para removê-lo para um hospital. Nestas salas, existem ainda equipamentos de terapia intensiva para atender casos extremos, se houver necessidade.

 

 

Leia mais:

Entenda todo o funcionamento das UPAs 24h

Abertas as inscrições para seleção de funcionários de administradora de hospitais

ABC Paulista receberá investimentos para ampliar Rede de Atenção às Urgências

Profissionais são qualificados para atuar em situações de desastre

 

Fonte:
Ministério da Saúde

 

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital