Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 10 > Teste rápido de sífilis congênita será incluído em programa para gestantes do SUS

Saúde

Teste rápido de sífilis congênita será incluído em programa para gestantes do SUS

por Portal Brasil publicado: 04/10/2012 12h05 última modificação: 29/07/2014 09h02
FAMERP/Radiologia Diagnóstica O teste rápido de sífilis congênita está sendo implantado na Atenção Básica do Ministério da Saúde

O teste rápido de sífilis congênita está sendo implantado na Atenção Básica do Ministério da Saúde

O objetivo é eliminar a transmissão da doença de mãe para filho, até o ano de 2015


Foram apresentadas, na quarta-feira (3), as ações que estão sendo realizadas para implantação do teste rápido de sífilis congênita na rede de Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS). O objetivo é eliminar a transmissão da doença de mãe para filho, até o ano de 2015. 

As ações foram apresentadas durante videoconferência com as secretarias estaduais e municipais de saúde. Dados de 2011 apontam que são cinco casos de sífilis em mulheres para cada mil nascimentos. O comprometimento do Brasil para a eliminação da sífilis congênita, até 2015, faz parte dos Objetivos do Milênio.

Até o fim do ano, 340 mil testes serão enviados aos estados, que deverão utilizar o exame na estratégia Rede Cegonha, qualificando, assim, o pré-natal que é ofertado no Sistema Único de Saúde (SUS).

“A detecção precoce da doença possibilita o tratamento para que não haja risco de transmissão da gestante para o bebê”, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Por isso, para que o diagnóstico e tratamento sejam eficazes, é importante a realização do teste rápido durante o pré-natal.

Fazem parte das estratégias de apoio do ministério para implantação do teste na Atenção Básica a divulgação do material para capacitação de multiplicadores no âmbito da Rede Cegonha, disponível na página especial da rede, e a realização de videoconferências específicas com as coordenações de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST/Aids), Atenção Básica e Saúde da Mulher.

Esses encontros acontecem mensalmente e têm a função de acompanhar o andamento da implementação do teste e das ações de redução da mortalidade materna nos estados.

De acordo com o secretário de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, é importante que os estados elaborarem um plano de eliminação da sífilis congênita. “Nós vamos dar todo apoio, mas é importante a mobilização de municípios e dos estados”, enfatizou.

A doença
A sífilis é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum e pode se manifestar de forma temporária, em três estágios. Os principais sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentar sintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura. Com o desaparecimento dos sintomas, o que acontece com frequência é as pessoas se despreocupam e não buscarem o diagnóstico e o tratamento.

Sem o atendimento adequado, a doença pode comprometer a pele, os olhos, os ossos, o sistema cardiovascular e o sistema nervoso. E, se não tratada, a sífilis pode até levar à morte.

A sífilis congênita é a transmissão da doença de mãe para o bebê, também conhecida como transmissão vertical. A infecção é grave e pode causar má-formação do feto, aborto ou morte da criança.

O diagnóstico se dá por meio de exame de sangue, que deve ser prescrito no primeiro trimestre da gravidez. O recomendado é refazer o teste no terceiro trimestre da gestação e repeti-lo antes do parto, já na maternidade.

Além da transmissão vertical, a doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado e por transfusão de sangue contaminado. O uso da camisinha em todas as relações sexuais e o correto acompanhamento durante a gravidez são meios simples, confiáveis e baratos de prevenção.

OMS
Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano no mundo ocorrem aproximadamente 12 milhões de novos casos da doença. No Brasil, as estimativas da organização de infecções de sífilis por transmissão sexual, na população sexualmente ativa, a cada ano, são de 937 mil casos.

Rede Cegonha

Lançada em março do ano passado pelo governo federal, a Rede Cegonha é um programa que visa garantir atendimento de qualidade a todas as gestantes pelo SUS, desde a confirmação da gestação até os dois primeiros anos de vida do bebê. Ela terá atuação integrada às demais iniciativas do sistema para a saúde da mulher.

A rede prevê, ainda, a qualificação dos profissionais de saúde responsáveis pelo atendimento às mulheres durante a gravidez, parto e puerpério (pós-parto), bem como a criação de estruturas de assistência, como a Casa da Gestante e a Casa do Bebê, e os Centros de Parto Normal, que funcionarão em conjunto com a maternidade para humanizar o nascimento.

As boas práticas de atenção ao parto e nascimento serão exigidas nas maternidades. Uma delas é o direito a acompanhante de livre escolha da mulher durante todo o trabalho de parto. O ambiente em que a mulher dará a luz deve ser adequado para oferecer privacidade e conforto para ela e seu acompanhante. A mulher tem acesso a métodos de alívio da dor e a possibilidade de ficar em contato pele a pele com seu bebê imediatamente após o nascimento, prática que é benéfica para os dois.

Com ações que vão desde o planejamento reprodutivo até o segundo ano de vida do bebê, a Rede Cegonha vem qualificando e ampliando a assistência à mulher e ao bebê. A estratégia já conta com a adesão de mais de 4.759 municípios brasileiros.

 

Estima-se que, atualmente, 91,5% do total de gestantes usuárias do SUS serão atendidas pelo programa.

 

Leia mais:

Enfermeiros obstetras serão capacitados para assistência às mães e bebês

Fazer o acompanhamento pré-natal é fundamental para uma gravidez segura e tranquila

Saiba como garantir a saúde de gestantes, mães e bebês

SUS oferece teste rápido para HIV e sífilis para gestante e parceiro sexual

Programa leva testes de HIV, sífilis e hepatite a índios de todo o País

 

Fonte:
Ministério da Saúde
Portal Brasil



Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Ministério da Saúde lança campanha para incentivar doação de sangue
Nesta quarta-feira (14), o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Doação de Sangue 2017
Acordo entre governo e indústria reduziu 17 mil toneladas de sódio nos alimentos
Novo acordo pretende reduzir mais 11 mil toneladas da substância nos alimentos mais consumidos no País
Médicos destacam importância dos transplantes
Profissionais contam sobre os bastidores dos transplantes realizados no Brasil
Nesta quarta-feira (14), o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Doação de Sangue 2017
Ministério da Saúde lança campanha para incentivar doação de sangue
Novo acordo pretende reduzir mais 11 mil toneladas da substância nos alimentos mais consumidos no País
Acordo entre governo e indústria reduziu 17 mil toneladas de sódio nos alimentos
Profissionais contam sobre os bastidores dos transplantes realizados no Brasil
Médicos destacam importância dos transplantes

Últimas imagens

Os produtos são da categoria de alimentos de transição, utilizados como complemento ao leite materno
Os produtos são da categoria de alimentos de transição, utilizados como complemento ao leite materno
Foto: Sergio Amaral/MDS
Outros medicamentos estão na lista para uma próxima compra conjunta entre os países, como o Eculizumabe
Outros medicamentos estão na lista para uma próxima compra conjunta entre os países, como o Eculizumabe
J. Freitas/Agência Brasil
Propriedades funcionais somente podem ser alegadas quando atendidas às exigências para comprovação
Propriedades funcionais somente podem ser alegadas quando atendidas às exigências para comprovação
Divulgação/Ministério da Saúde
Doença afeta entre 10% a 25% da população adulta, segundo a Anvisa
Doença afeta entre 10% a 25% da população adulta, segundo a Anvisa
Divulgação/Ministério da Saúde
O brasileiro ingere 12 gramas de sódio por dia, mais que o dobro do sugerido pela Organização Mundial da Saúde
O brasileiro ingere 12 gramas de sódio por dia, mais que o dobro do sugerido pela Organização Mundial da Saúde
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Governo digital