Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2012 > 11 > Municípios do Amazonas e Amapá receberão R$ 4 mi para controle da malária

Saúde

Municípios do Amazonas e Amapá receberão R$ 4 mi para controle da malária

por Portal Brasil publicado: 13/11/2012 15h48 última modificação: 29/07/2014 09h02
Divulgação/FioCruz A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles.

A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles.

A medida visa intensificar as ações contra a doença nos estados e municípios que apresentam maior número de casos

 

Com o objetivo de reforçar as ações de controle e prevenção da malária em 26 municípios dos estados do Amazonas e Amapá, o Ministério da Saúde irá repassar R$ 4 milhões do Fundo Nacional de Saúde, que serão transferidos em parcela única.

A medida, que consta na Portaria nº 2.568, visa intensificar as ações contra a doença nos estados e municípios que apresentam maior número de casos. Os recursos serão utilizados em para diagnóstico, tratamento, controle vetorial e supervisão dos casos.

 

Queda

Em seis anos, houve uma queda de 56% dos casos de malária em todo o País. Entre os anos de 2005 e 2011, as notificações reduziram de 607,7 mil para 267 mil. Estes dados fazem parte da publicação Saúde Brasil 2011, que foi lançada no último dia 18 de outubro.

A redução é resultado da descentralização das ações de prevenção e controle da doença, da inclusão de derivados de artemisina no tratamento dos pacientes e da melhoria no atendimento, feito em até 72 horas, depois do aparecimento dos primeiros sintomas. Outro fator fundamental para diminuição desse quadro é o aumento dos investimentos e a capacitação dos profissionais.

Somente em 2011, para os locais onde há maior vulnerabilidade à doença, foram repassados R$ 15 milhões, destinados à instalação de mais de um milhão de mosquiteiros com inseticidas. Outras medidas, como o envio de 194 microscópicos para ampliar a rede de diagnósticos da malária, além de 39 novas caminhonetes e 500 mil testes rápidos para diagnóstico da doença - subsidiados pelo Fundo Global de Luta Contra Aids, Tuberculose e Malária - também foram promovidas pelo Ministério da Saúde.

 

Malária

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a malária é a quinta doença que mais mata no mundo. Ela é provocada pelo parasita do gênero Plasmodiun, transmitido pela picada da fêmea infectada do mosquito do gênero Anophele, conhecido como muriçoca, mosquito-prego ou carapanã. A doença, também chamada de impaludismo, causa sintomas como dor de cabeça, no corpo, dor abdominal, tontura, náusea, fraqueza, febre alta e calafrios.

O período de incubação varia de oito a 17 dias, podendo chegar a vários meses, em condições especiais. Uma vez diagnosticada, o tratamento é eficaz, simples e gratuito. Ainda não existe uma vacina disponível contra a doença. Para cada espécie de plasmódio, há medicamentos ou associações de medicamentos específicos em dosagens adequadas à situação de cada doente. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente toda a medicação para o tratamento da doença.

No Brasil, 99,5% dos casos são registrados na região da Amazônia Legal. As pessoas que mais correm risco de contrair a doença (1,2 bilhão) vivem na África e Ásia. A maior parte dos óbitos (91%) ocorre no continente africano, enquanto 13% das mortes são contabilizadas no território asiático. Crianças com menos de cinco anos são as mais afetadas, contabilizando, aproximadamente, 86% das mortes pela doença no mundo.

 

Prevenção

Entre as ações de prevenção da malária estão: a drenagem de áreas alagadas; pequenas obras de saneamento para eliminação de criadouros do vetor; obras de aterro; limpeza das margens dos criadouros; modificação do fluxo da água; controle da vegetação aquática; melhoramento da moradia e das condições de trabalho da população; e uso racional da terra.

O Ministério da Saúde também recomenda a adoção de medidas de proteção individual contra picadas de insetos, principalmente nas áreas de risco, como o uso de mosquiteiro impregnado com inseticida; o uso de telas nas portas e janelas; o uso de repelente; e evitar locais de banho em horários de maior atividade do mosquito - na manhã e no final da tarde. 

 

Controle da Malária

Para diminuir ainda mais os casos de malária e os danos causados por ela, o Programa Nacional de Controle da Malária (PNCM) firmou uma estratégia em que o diagnóstico precoce e o tratamento imediato aparecem como prioridade. O programa também se preocupa com as intervenções para controle do vetor, a detecção imediata de epidemias e um maior envolvimento do nível estadual e municipal para execução das medidas de controle da doença.

O programa também investe, em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em um estudo para ampliar os conhecimentos da eficácia dos medicamentos utilizados contra a malária, chamado Projeto da Rede Amazônica de Vigilância da Resistência às Drogas Antimaláricas (Ravreda).

É preocupação do programa, ainda, ampliar o sistema de vigilância em estados não-amazônicos - Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Ceará, Piauí e Espírito Santo, Pernambuco -, onde é observada a ocorrência de surtos de malária, os quais têm sido controlados em tempo relativamente curto.

 

Fonte:
Ministério da Saúde
Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Entre as medidas estão a redução do consumo de sucos artificiais e refrigerantes em, pelo menos, 30% e incentivar o consumo frutas e hortaliças regularmente
Governo assume metas para conter crescimento da obesidade no País
Parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação visa incentivar vacinação nas escolas. Material informativo sobre HPV e Meningite C será distribuído nas unidades escolares
Cooperação incentivará vacinação nas escolas
Acordo entre Ministério da Saúde e o centro permitirá que a organização faça atendimentos gratuitos por meio de um número único para todo o País
Ligações para Centro de Valorização da Vida serão gratuitas em todo o País

Últimas imagens

A interdição é resultado da comunicação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
A interdição é resultado da comunicação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Foto: Gilson Abreu/Fiep
Anvisa determinou que a empresa Newage Indústria de Bebidas Ltda recolha o estoque
Anvisa determinou que a empresa Newage Indústria de Bebidas Ltda recolha o estoque
Carla Cleto/Governo de Alagoas
Substâncias anabolizantes, abortivas ou que causam má-formação fetal também são enquadradas na lista
Substâncias anabolizantes, abortivas ou que causam má-formação fetal também são enquadradas na lista
Divulgação/EBC
Brasil atingiu Metas dos Objetivos do Milênio de combate à tuberculose com três anos de antecedência
Brasil atingiu Metas dos Objetivos do Milênio de combate à tuberculose com três anos de antecedência
Divulgação/Ministério da Saúde
Substância misoprostol faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial da Anvisa
Substância misoprostol faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial da Anvisa
Divulgação/Ministério da Saúde

Governo digital