Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2013 > 10 > Campanha Outubro Rosa busca estimular detecção precoce do câncer de mama

Saúde

Campanha Outubro Rosa busca estimular detecção precoce do câncer de mama

Campanha de conscientização

Acesso do público prioritário à mamografia cresce 37% em dois anos
por Portal Brasil publicado: 01/10/2013 18h08 última modificação: 29/07/2014 09h17
Divulgação/Ministério da Saúde No Brasil, o câncer de mama é a segunda causa de morte entre mulheres

No Brasil, o câncer de mama é a segunda causa de morte entre mulheres

O ano de 2012 registrou crescimento de 37% na realização de mamografias na faixa prioritária – de 50 a 69 anos – em comparação com 2010, no Sistema Único de Saúde (SUS). Os procedimentos somaram 2,1 milhões no ano passado, contra 1,5 milhões em 2010. Se incluídas todas as faixas etárias, o número de exames realizados no último ano atingiu a marca de 4,4 milhões, representando um crescimento de 26% em relação a 2010.

Para estimular a detecção precoce do câncer de mama, o Ministério da Saúde dá início à campanha para conscientização das mulheres sobre o tema, reforçando as ações do movimento Outubro Rosa.

Outubro Rosa

O movimento popular Outubro Rosa é internacional. Em qualquer lugar do mundo, a iluminação rosa é compreendida como a união dos povos pela saúde feminina. Em Brasília, às 18h40 desta terça-feira (1º), o prédio do Ministério da Saúde e o Congresso Nacional serão iluminados com luzes cor-de-rosa. O câncer de mama é a segunda causa de morte entre mulheres. Somente no ano de 2011, a doença fez 13.225 vítimas no Brasil. O rosa simboliza alerta às mulheres para que façam o autoexame e, a partir dos 50 anos, a mamografia, diminuindo os riscos que aparecem nesta faixa etária. Para que mais mulheres possam fazer o exame, o Ministério da Saúde investiu, em 2012, R$ 92,3 milhões – um aumento de 17% em relação a 2011.

Assistência

Em 2011, a presidenta Dilma Rousseff lançou o Plano Nacional de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Colo do Útero e de Mama, estratégia para expandir a assistência oncológica no País. Atualmente, o SUS tem 277 serviços na assistência oncológica que atendem a 298 unidades hospitalares distribuídas nas 27 unidades da federação para a detecção e tratamento de câncer em todo País. Com o investimento do governo federal, mais de 3,6 milhões de sessões de radioterapia e quimioterapia foram feitas pelo SUS, com investimento de R$ 491,8 milhões. As cirurgias oncológicas também representam a preocupação com o combate à doença. No ano passado, foram investidos R$ 16,8 milhões.

Para agilizar o acompanhamento dos serviços oncológicos, o Ministério da Saúde criou o Sistema de Informação do Câncer (Siscan). O software, disponível gratuitamente para as secretarias de saúde, permite o monitoramento do atendimento oncológico na rede pública por meio da inserção e processamento de dados, gerido pelo Ministério da Saúde. O sistema funciona em plataforma web e já tem a adesão dos 27 estados brasileiros, dos quais 17 já começaram a inserir os dados no sistema. O prazo para substituição dos demais sistemas pelo Siscan termina em janeiro de 2014. A cobertura das informações também se estenderá a todos os tipos de câncer. Até o momento, o sistema já recebeu mais de 104,3 mil requisições de exames, sendo 39,6 mil referentes a mamografias.

Para este ano, o Ministério da Saúde instituiu a centralização da compra do L-Asparaginase. Usado no tratamento de câncer, o medicamento era comprado pelos serviços do SUS habilitados em oncologia.  A medida foi tomada após a empresa brasileira que distribuía o medicamento comunicar ao governo federal a interrupção do fornecimento por parte de uma empresa estrangeira. A partir de 2015, o L-Asparaginase passa a ser produzido no Brasil por meio de parceria firmada em junho entre a Fiocruz e os laboratórios privados NT Pharma e Unitec Biotec. Assim, o país fica livre de ser surpreendido pela suspensão da oferta por uma empresa privada internacional sem atividades produtivas no País.

Sancionada pela presidente Dilma Rousseff, a Lei 12.732/12, conhecida como Lei dos 60 dias, garante aos pacientes com câncer o início do tratamento em no máximo 60 dias após a inclusão da doença em seu prontuário, no SUS. O prazo máximo vale para que o paciente passe por uma cirurgia ou inicie sessões de quimioterapia ou radioterapia, conforme prescrição médica.

 

Fonte:

Ministério da Saúde 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Aplicativo registra e acompanha as ações de combate ao Aedes aegypti
Aplicativo para celular permite a identificação das larvas do Aedes aegypti e registra as ações de combate ao mosquito nos prédios públicos. O sistema já registrou cerca de 1.500 focos em 1.481 vistorias
Atenção Básica recebe investimento de R$ 1,7 bilhão
Mais de mil municípios serão beneficiados, garantindo maior assistência à população
Transporte aéreo de órgãos para transplantes aumenta 35% em 2017
No primeiro trimestre de 2017, foram transportados 330 órgãos, 818 tecidos e 606 outros itens para transplantes - um aumento de 35% em relação ao primeiro trimestre do ano passado
Aplicativo para celular permite a identificação das larvas do Aedes aegypti e registra as ações de combate ao mosquito nos prédios públicos. O sistema já registrou cerca de 1.500 focos em 1.481 vistorias
Aplicativo registra e acompanha as ações de combate ao Aedes aegypti
Mais de mil municípios serão beneficiados, garantindo maior assistência à população
Atenção Básica recebe investimento de R$ 1,7 bilhão
No primeiro trimestre de 2017, foram transportados 330 órgãos, 818 tecidos e 606 outros itens para transplantes - um aumento de 35% em relação ao primeiro trimestre do ano passado
Transporte aéreo de órgãos para transplantes aumenta 35% em 2017

Últimas imagens

Organização alertou ainda que o comércio ilegal de tabaco está agravando o tabagismo
Organização alertou ainda que o comércio ilegal de tabaco está agravando o tabagismo
Arquivo/USP Imagens
Os preservativos são distribuídas pelo SUS gratuitamente em todo o País
Os preservativos são distribuídas pelo SUS gratuitamente em todo o País
Divulgação/Ministério da Saúde
O Soliqua é indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 para melhorar o controle glicêmico
O Soliqua é indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 para melhorar o controle glicêmico
Antonio Cruz/Agência Brasil
Ferramenta reduz custos, pois dá ao médico acesso ao histórico do paciente e evita exames ou consultas repetidas
Ferramenta reduz custos, pois dá ao médico acesso ao histórico do paciente e evita exames ou consultas repetidas
Foto: rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
Em 2017, até o momento, a Santa Casa de Colombo registrou cerca de 9,3 mil procedimentos
Em 2017, até o momento, a Santa Casa de Colombo registrou cerca de 9,3 mil procedimentos
João Senechal/Prefeitura de Colombo (PR)

Governo digital