Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2015 > 12 > Microcefalia não está relacionada à vacina da rubéola

Saúde

Microcefalia não está relacionada à vacina da rubéola

Vacinação

Ministério da Saúde esclareceu em página social que não há evidência que a vacina da rubéola pode causar microcefalia
por Portal Brasil publicado: 16/12/2015 14h20 última modificação: 16/12/2015 16h48
Divulgação/Governo de SP A vacina contra a rubéola é especialmente indicada para mulheres em idade fértil – entre 15 e 29 anos

A vacina contra a rubéola é especialmente indicada para mulheres em idade fértil – entre 15 e 29 anos

Há alguns dias, propaga-se nas redes sociais e conversas de aplicativos a informação de que o surto de microcefalia registrado na região Nordeste estaria relacionado à vacinação contra a rubéola, e não ao contágio pelo zika vírus. Em sua página social, o Ministério da Saúde se prontificou a desmistificar a informação. 

A Sociedade de Pediatria de São Paulo também publicou um texto com as principais dúvidas e mitos a respeito da doença. Sobre a relação com a vacina, o Dr. Yechiel Moises Chencinski, do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da instituição, esclareceu que a rubéola e a síndrome da rubéola congênita foram eliminadas do Brasil.

"A Síndrome da rubéola congênita, quando afeta a gestante, pode trazer malformações, entre elas, a microcefalia (retardo no crescimento intrauterino – 43%, anormalidades viscerais – 50 a 75%, microcefalia – 39%, manifestações cutâneas – 20 a 50% e microftalmia – 20%). No dia 2 de dezembro, o Brasil recebeu um certificado da Organização Mundial de Saúde, considerando a rubéola e a síndrome da rubéola congênita, oficialmente, eliminadas no País (últimos casos de transmissão no País em 2008 e 2009).

Vacinação

O calendário nacional de vacinação prevê que a vacina da rubéola deve ser aplicada aos 12 e 15 meses (dentro da tríplice viral – sarampo, caxumba e rubéola). Ela é uma vacina produzida com vírus vivos e atenuados, que não são capazes de provocar as três doenças. É possível tomar essa vacina em outros momentos da vida, mas nunca durante a gestação.

A vacina contra a rubéola é especialmente indicada para mulheres em idade fértil – entre 15 e 29 anos – para evitar pegar a doença durante a gravidez. As mulheres grávidas que não foram vacinadas antes da gestação devem receber a vacina somente após o parto.

Fonte: Portal Brasil, com informações da EBC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo reafirma compromisso com políticas de saúde no Nordeste
Ministro da Saúde apresentou pontos prioritários para estimular oportunidades de negócios na área da saúde
A importância do leite materno
Você sabe por que o leite materno é tão importante para o desenvolvimento do seu bebê? Conheça os benefícios do aleitamento
Mitos e verdades: alimentação da mãe
O que a mãe come enquanto está amamentando tem influência sobre o bebê? Saiba o que um pediatra tem a dizer sobre isso
Ministro da Saúde apresentou pontos prioritários para estimular oportunidades de negócios na área da saúde
Governo reafirma compromisso com políticas de saúde no Nordeste
Você sabe por que o leite materno é tão importante para o desenvolvimento do seu bebê? Conheça os benefícios do aleitamento
A importância do leite materno
O que a mãe come enquanto está amamentando tem influência sobre o bebê? Saiba o que um pediatra tem a dizer sobre isso
Mitos e verdades: alimentação da mãe

Últimas imagens

O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos
O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Segundo resolução da Anvisa, os rótulos deverão informar a existência de dezessete substâncias
Divulgação/EBC
Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto
Confira também dicas de como preceder no caso de suspeita de infarto

Governo digital