Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2015 > 12 > Microcefalia não está relacionada à vacina da rubéola

Saúde

Microcefalia não está relacionada à vacina da rubéola

Vacinação

Ministério da Saúde esclareceu em página social que não há evidência que a vacina da rubéola pode causar microcefalia
por Portal Brasil publicado: 16/12/2015 14h20 última modificação: 16/12/2015 16h48
Divulgação/Governo de SP A vacina contra a rubéola é especialmente indicada para mulheres em idade fértil – entre 15 e 29 anos

A vacina contra a rubéola é especialmente indicada para mulheres em idade fértil – entre 15 e 29 anos

Há alguns dias, propaga-se nas redes sociais e conversas de aplicativos a informação de que o surto de microcefalia registrado na região Nordeste estaria relacionado à vacinação contra a rubéola, e não ao contágio pelo zika vírus. Em sua página social, o Ministério da Saúde se prontificou a desmistificar a informação. 

A Sociedade de Pediatria de São Paulo também publicou um texto com as principais dúvidas e mitos a respeito da doença. Sobre a relação com a vacina, o Dr. Yechiel Moises Chencinski, do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da instituição, esclareceu que a rubéola e a síndrome da rubéola congênita foram eliminadas do Brasil.

"A Síndrome da rubéola congênita, quando afeta a gestante, pode trazer malformações, entre elas, a microcefalia (retardo no crescimento intrauterino – 43%, anormalidades viscerais – 50 a 75%, microcefalia – 39%, manifestações cutâneas – 20 a 50% e microftalmia – 20%). No dia 2 de dezembro, o Brasil recebeu um certificado da Organização Mundial de Saúde, considerando a rubéola e a síndrome da rubéola congênita, oficialmente, eliminadas no País (últimos casos de transmissão no País em 2008 e 2009).

Vacinação

O calendário nacional de vacinação prevê que a vacina da rubéola deve ser aplicada aos 12 e 15 meses (dentro da tríplice viral – sarampo, caxumba e rubéola). Ela é uma vacina produzida com vírus vivos e atenuados, que não são capazes de provocar as três doenças. É possível tomar essa vacina em outros momentos da vida, mas nunca durante a gestação.

A vacina contra a rubéola é especialmente indicada para mulheres em idade fértil – entre 15 e 29 anos – para evitar pegar a doença durante a gravidez. As mulheres grávidas que não foram vacinadas antes da gestação devem receber a vacina somente após o parto.

Fonte: Portal Brasil, com informações da EBC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Novo calendário de residência médica permitirá redução das vagas ociosas
A trajetória de estudo de um profissional de medicina inclui a fase de residência médica. Uma medida anunciada pelo governo federal visa reduzir o número de vagas ociosas para quem quer ingressar na carreira
Municípios de São Paulo receberão recursos para investir em saúde
O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta terça-feira (10). No mesmo dia, o estado de São Paulo recebeu novas ambulâncias para renovar a frota do Samu
Anvisa atualiza regras para rótulos de bronzeadores
Norma estabelece advertência de rotulagem específica para os ativadores/aceleradores de bronzeado
A trajetória de estudo de um profissional de medicina inclui a fase de residência médica. Uma medida anunciada pelo governo federal visa reduzir o número de vagas ociosas para quem quer ingressar na carreira
Novo calendário de residência médica permitirá redução das vagas ociosas
O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta terça-feira (10). No mesmo dia, o estado de São Paulo recebeu novas ambulâncias para renovar a frota do Samu
Municípios de São Paulo receberão recursos para investir em saúde
Norma estabelece advertência de rotulagem específica para os ativadores/aceleradores de bronzeado
Anvisa atualiza regras para rótulos de bronzeadores

Últimas imagens

Gasto federal com terapia renal tem evoluído percentualmente mais do que a quantidade realizada
Gasto federal com terapia renal tem evoluído percentualmente mais do que a quantidade realizada
Divulgação/Governo de Sergipe
Como a doença é considerada rara, Lynparza (olaparibe) teve sua análise priorizada pela Anvisa
Como a doença é considerada rara, Lynparza (olaparibe) teve sua análise priorizada pela Anvisa
Divulgação/Anvisa
A ocorrência de dependência com o uso do Mevatyl é improvável
A ocorrência de dependência com o uso do Mevatyl é improvável
Divulgação/Anvisa
Cartilha visa despertar olhar infantil para conhecimento sobre biologia e principais criadouros do mosquito
Cartilha visa despertar olhar infantil para conhecimento sobre biologia e principais criadouros do mosquito
Foto: Luiz Granzotto/Prefeitura de Campinas
Na arteterapia, a arte é usada como parte do processo terapêutico
Na arteterapia, a arte é usada como parte do processo terapêutico
Kássio Pereira/Governo do Paraná

Governo digital